logomarca
selo2019iza

Centro Educacional Iza Rizzotti

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
Ano 2018/2019

 

“Quando tinha 10 anos eu lia contos de fadas escondido e ficava envergonhado quando me pilhavam. Hoje em dia, com cinquenta anos, leio-os abertamente. Quando me tornei homem deixei para trás as coisas de menino, inclusive o medo de ser infantil e o desejo de ser muito adulto”.
S. Lewis

SUMÁRIO

1. A INSTITUIÇÃO DE ENSINO IZA RIZZOTTI
1.1 Apresentação
1.2 Logomarca
1.3 Histórico
1.4 Identificação
1.5 Descrição dos espaços físicos, das instalações e equipamentos
1.6 História do Centro Educacional Iza Rizzotti
1.7 Identidade
1.8 Missão

2. A EDUCAÇÃO INFANTIL
2.1 Concepção de infância
2.2 O cuidar e o educar na Educação Infantil
2.2.1 O cuidar
2.2.2 O educar
2.3 O brincar
2.4 Brinquedos e brincadeiras

3. DIRETRIZES PEDAGÓGICAS
3.1 A estrutura e o funcionamento da Educação Infantil
3.2 A estrutura da organização pedagógica

4. DA ORGANIZAÇÃO E COMPOSIÇÃO CURRICULAR
  4.1 Organização por idade
4.2 Organização dos tempos e espaços
4.3 Componentes curriculares
4.3.1 Organização em âmbitos e eixos
4.4 Campos de Experiência e objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento
4.4.1 O Eu, o Outro e o Nós
4.4.2 Corpo, Gestos e Movimentos
4.4.3 Traços, Sons, Cores e Formas
4.4.4 Escuta, Fala, Pensamento e Imaginação
4.4.5 Espaços, Tempos, Quantidades, Relações e Transformações
4.4.6 Música
4.4.7 Artes visuais
4.4.8 Linguagem digital
4.5 Inclusão
4.6 Estudos afrodescendentes

5. DA ORGANIZAÇÃO E COMPOSIÇÃO CURRICULAR
5.1 Metodologia
5.2 Material didático
5.3 Acompanhamento pedagógico
5.4 Proposta de projetos
5.5 Avaliação
5.6 Recursos didáticos
5.6.1 Materialidade
5.6.2 Funcionamento

6. EDUCAÇÃO CONTINUADA
6.1 Capacitação do pessoal docente
6.2 Capacitação do pessoal administrativo

7. DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ESCOLAR
7.1 Regime de funcionamento
7.1.1 Rotina
7.1.2 Forma de organização
7.1.3 Enturmação
7.1.3.1 Da organização dos agrupamentos ou turmas
7.1.4 Eventos, lazer, cultura e social
7.1.5 Normas de convivência

8 CONSIDERAÇÕES FINAIS

9 REFERÊNCIAS

 

1. A INSTITUIÇÃO DE ENSINO IZA RIZZOTTI

  • APRESENTAÇÃO

O Projeto Político Pedagógico do Centro Educacional Iza Rizzotti expressa o ideal e os princípios da organização do trabalho educativo na instituição. Diante dos desafios presentes no atual cenário mundial, o Centro Educacional Iza Rizzotti, como instituição de ensino da rede particular, concebe a Educação como a base para a construção e formação de crianças criativas e críticas, capazes de contribuir para as transformações de que nossa sociedade necessita dos sujeitos na vida adulta. Sua proposta pedagógica está pautada na formação humana, baseada nos princípios da autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do respeito ao bem comum.

Neste contexto, este documento busca apresentar o Projeto Político Pedagógico do Centro Educacional Iza RizzottI, com suas especificidades e singularidades, de forma clara. Além de apresentar o funcionamento da instituição, determinando suas prioridades e estabelecendo estratégias de trabalho. O Centro Educacional Iza Rizzotti possui uma unidade de Educação Infantil que atende crianças de 0 a 5-6 anos (pré-escola).

A Escola está localizada à Rua Jornalista Waldir Lau, 421, bairro Itapoã. O Centro Educacional Iza Rizzotti, foi fundado em julho de 2004 através da parceria de três membros: Iza Maria Bastos Rizzotti, Denise de Souza Campos Duarte e Marcos Paulo Valadares de Oliveira (tendo saído da sociedade em 2009). A sociedade surgiu através do sonho de educadores comprometidos com a missão Educacional, dispostos a oferecer uma Escola Infantil diferenciada à comunidade.

A sede na qual a Escola foi montada é alugada, juntamente com a área de lazer situada ao lado da casa, pertencentes ao mesmo proprietário. Acreditamos que é no esforço conjunto, Escola/Família, entendido aqui como um trabalho de parceria entre estes dois polos da vivência educacional, que conseguiremos ações coerentes e comprometidas de nossas crianças.

Nosso objetivo é educar para a vida, por meio de uma forte parceria com a família, fazendo com que o aluno cresça em todos os sentidos. A escola não é colocada apenas como um espaço formal de aprendizagem, mas sim local onde se adquire o conhecimento por meio de experiências vividas. Os educadores se empenham tanto em construir conhecimento, quanto em ensinar valores que são a base para que, no futuro, o aluno seja um adulto feliz, capacitado e consciente de seu papel na sociedade.

Consolidada no principal objetivo, o de educar, nossa Ação Pedagógica é pautada nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, no Referencial Curricular para a Educação Infantil e na Base Nacional Comum Curricular que se constituem em uma sólida referência para prosseguir e evoluir.

1.2 LOGOMARCA

O logotipo do Centro Educacional Iza Rizzotti apresenta um formato que evidencia uma bola de gude, brinquedo que remete à infância em sua forma mais pura e inocente. A bola de gude é um elemento que chama a atenção das crianças e também de seus pais, já que se trata de um brinquedo antigo, de muitas gerações. Assim sendo, ela representa um elo entre pais e filhos promovido pela Escola.

Por ser um brinquedo simples, de forma e cores atrativas, a bola de gude é capaz de despertar a curiosidade na criança, além de ser um brinquedo extremamente educativo e socializador, através do qual a criança começa a definir estratégias, desenvolver a coordenação motora e, também, se relacionar com os colegas.

O elemento interno da bola de gude, além de caracterizá-la como tal, denota uma chama de fogo. E essa “chama” representa a chama do conhecimento, do caráter, da personalidade, do ser, da sabedoria e dos mais importantes valores humanos. Abrange, ainda, aspectos físicos, psicológicos e sociais. A “chama” traduz a intensidade da criança em aprender e em viver esses que são os melhores anos de nossas vidas.

A “chama” é composta por 4 elementos, uma referência direta aos Quatro Pilares do Saber, constituindo a filosofia do Centro Educacional Iza Rizzotti: Aprender a SER, Aprender a CONVIVER, Aprender a APRENDER, Aprender a FAZER. Foi incluído um quinto pilar: APRENDER A EMPREENDER, que visa proporcionar às crianças situações práticas que envolvem pensamentos, ações e resultados a curto, a médio e a longo prazo. Os dois elementos de cor cinza situados nas laterais representam proteção e segurança, valores essenciais e decisivos no ato de escolha da Escola dos filhos pelos pais.

 

  • HISTÓRICO

O Centro Educacional Iza Rizzotti atende crianças agrupadas por idade em turmas de no máximo de 16 alunos. O quadro funcional encontra-se distribuído da seguinte forma:

  • 1 diretora pedagógica
  • 1 diretora administrativa
  • 2 coordenadoras
  • 1 responsável financeiro

 

2 Secretárias
3 Zeladoras
2 Lactárias
11 Professoras
13 Auxiliares de Sala
3 Auxiliares de Apoio à inclusão
1 Auxiliar pedagógico

 

O acompanhamento pedagógico é feito pela diretora pedagógica, coordenadoras e auxiliar pedagógico.

 

1.4 IDENTIFICAÇÃO

Centro Educacional Iza Rizzotti

Endereço: Rua Jornalista Waldir Lau, 421 – Itapoã

Belo Horizonte/MG – Telefone: (31) 3441-5142

Público atendido: Crianças de 0 a 5-6 anos

EQUIPE TÉCNICA
NOME DO FUNCIONÁRIO ESCOLARIDADE/FORMAÇÃO CARGO
Iza Maria Bastos Rizzotti Formação em Magistério Diretora administrativa
Denise de Souza Campos Duarte 3º grau completo/Pedagogia Diretora pedagógica
Luíz Cláudio Dias Duarte 2º grau completo Responsável financeiro
Michelle Ferreira da Silva 3º grau completo/Pedagogia Professora
Cristiane Célia Estevam Campos 3º grau completo/Pedagogia Coordenadora
Marcus Leandro Costa Pereira 3º grau incompleto/Psicologia Auxiliar pedagógico
Kelly Cristina Bastos Iannini 2º grau completo Secretária
Camila Campi Santos 3º grau incompleto/Administração Secretária
Kelli Mirian de Souza 3º grau completo/Pedagogia Professora
Alexsandra Soares Pinto 3º grau completo/Pedagogia Professora
Rayane Ferreira Moura 3º grau incompleto/Pedagogia Professora
Érica Aparecida Rodrigues Gomes 3º grau completo/Pedagogia Professora
Mariela Melgaço Dietze Dantas Pós-graduanda em neuropsicopedagogia Professora
Déborah Clodomira dos Santos Pereira 3º grau completo/Pedagogia Professora
Camila de Fátima de Carvalho Braga Pós-graduada em educação infantil e neurociência e aprendizagem Professora
Bruna Teixeira Bernabé 3º grau completo/Pedagogia Professora

 

Marcela Mota Fonseca Elejaouhari 3º grau completo/Pedagogia Coordenadora
Gabriela Fragoso Barros Técnico em ator Professora de teatro
Alexandre Messias dos Santos Bacharelando em musicoterapia Professor de música
Wingrid Brandão de Souza 3º grau completo/Pedagogia Professora
Tânia Vieira Fonseca 2º grau completo Auxiliar de classe
Sabrina Fernanda Rodrigues da Silva 2º grau completo Auxiliar de classe
Dayane dos Santos Ferreira 2º grau completo Auxiliar de classe
Karen dos Santos Sá 3º grau incompleto/ Auxiliar de classe
Vanize Aparecida de Assis Diniz 2º grau completo Auxiliar de classe
Fabíola Ferreira da Silva 3º grau incompleto/Arquitetura Auxiliar de classe
Islayne Cristina Silva Dias 2º grau completo Auxiliar de classe
Leonor da Silva Vieira dos Santos 1º grau completo Auxiliar de classe
Josiane Rodrigues Assunção 3º grau incompleto/Pedagogia Auxiliar de classe
Cléia Gomes Franco de Siqueira 3º grau incompleto/Pedagogia Auxiliar de apoio à inclusão
Priscilla Ferreira da Silva 2º grau completo Auxiliar de classe
Bárbara Fernanda Dias Ferreira 2º grau completo Auxiliar de classe
Bruna Almeida Gonçalves da Silva 3º grau incompleto/Pedagogia Auxiliar de apoio à inclusão
Nayara Caroline Rosa 3º grau incompleto/Pedagogia Auxiliar de classe
Patrícia dos Santos Ferreira Formação em Magistério Auxiliar de apoio à inclusão
Kelly Cristina Dias 1º grau incompleto Zeladora
Agenilda Batista dos Reis 1º grau completo Zeladora
Silvani Caetano da Silva Teixeira 1º grau incompleto Zeladora
Eliana dos Santos Correa 2º grau completo Lactária
Grazielle de Carvalho Nepomuceno 2º grau completo Lactária

 

1.5  DESCRIÇÃO DOS ESPAÇOS FÍSICOS, DAS INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS

A Escola possui 10 (dez) salas de aula, 01 sala multimídia (interativa), 01 sala de matemática (brinquedoteca), 04 banheiros para crianças (2 masculinos e 2 femininos), 01 cozinha, 01 refeitório, 01 despensa, 01 secretaria, 01 sala de direção/coordenação, 01 sala de café, 02 banheiros para funcionários, 02 pátios, 01 sala de professores, 01 almoxarifado. Para crianças de 0 a 1-2 anos, há espaços adequados garantindo conforto, segurança e desenvolvimento global.

Equipamentos:

  • Secretaria:

02 computadores com 01 impressora, 01 máquina xerox copiadora (terceirizada), 1 aparelho de som com microfone interligado às salas e pátio, 5 aparelhos de telefone, 01 televisão e sistema de câmera, interligada;

  • Em cada sala de aula:

01 aparelho umidificador de ar, 01 aparelho de som, ventilador de teto, livros, brinquedos pedagógicos e filtro para água;

  • Sala Multimídia:

01 TV 42”, 01 DVD, 01 computador com internet, DVD’s de histórias e músicas, arara com fantasias diversas e ventilador de teto;

  • Sala Matemática:

Brinquedos pedagógicos, trilha de psicomotricidade, mercadinho de madeira, livros, ventilador de teto, tela interativa touch, notebook e retroprojetor.

 

1.6  HISTÓRIA DO CENTRO EDUCACIONAL IZA RIZZOTTI

A história do CEIR começou em 2004, junto ao sonho de adolescente de uma das sócias; ser professora, educadora, rodeada de crianças compartilhando saberes. No ano de 2004, efetivamente, devido a necessidade de afastamento da sala de aula por ter adquirido calos e cisto nas cordas vocais, Denise Campos Duarte, resolveu por em prática os seus sonhos. Amiga de Iza Bastos Rizzotti com a qual trabalhou em outra instituição, a convidou para participar do Projeto. Educadora nata, apaixonada pela missão, havia se desligado da instituição onde trabalhou por 25 anos, com total dedicação. Se recompondo do susto inicial, aceitou de imediato participar da sociedade. A tríade foi composta por Marcos Paulo Valadares de Oliveira, economista, educador e administrador, que entrou de cabeça e foi dando vida aos projetos.

A escolha do nome, Centro Educacional Iza Rizzotti, foi providencial! Nome forte, respeitoso, imponente, enfim, a cara da instituição. Durante suas caminhadas matinais a Iza pediu a São Judas que mostrasse o local. A comunicação foi on line! O imóvel veio em tempo: Julho de 2004, Colônia de Férias, findando com Festa “Julina”. Um sucesso!! Os amigos abraçaram a causa e nos prestigiaram totalmente. Iniciamos em Agosto com 17 crianças e chegamos ao final do ano com 23.

Em 2005, tudo novo! A Escola despontou na região. Quanta responsabilidade! As turmas foram gradativamente sendo formadas e professoras e demais profissionais brilhantes foram edificando o Centro Educacional Iza Rizzotti. Ousamos em incluir na grade curricular, naquela época, iniciação musical e teatro. Diferencial na região que gerou bons frutos.

Em 2011 a Escola passou por uma mega reforma. Ampliamos salas, parte administrativa, enfim, fomos ousadas. Ficamos em apuros, foi um verão de chuvas constantes e a obra não caminhou como previsto. Houve a necessidade de adiarmos o início do ano letivo e todos os pais foram compreensivos. No domingo, dia 03 de fevereiro, foi emocionante o mutirão feito pelos amigos.

Inauguramos a “nova” Escola com chave de ouro. Fechamos o ano letivo de 2012 com 160 crianças, pais presentes que compõe a comunidade escolar e uma equipe de 45 funcionárias, escolhidas a dedo, pois, trabalhar numa instituição séria, comprometida, que tem o selo Escola Legal (SINEP) não é tarefa fácil. O sócio Marcos Paulo se desligou da sociedade em 2009, mas torce pelo nosso sucesso e continua educando em outros ares, atualmente, ares capixabas, Vitória. Agradecemos pelo apoio e por todas as contribuições.

Nossa Escola cresceu significantemente nos anos seguintes. O espaço escolar tornou-se um ambiente formador de personalidades e representações, com forte potencial para o desenvolvimento de atividades cognitivas e motoras, tornando-se assim, cenário de múltiplos interesses para as crianças, exigindo consequentemente, frequentes adaptações de ambientes e profissionais, de acordo com a demanda.

Desde 2015, pudemos contar com a ajuda do auxiliar pedagógico e psicologo, Marcus, que nos orienta, com responsabilidade, sobre os desafios encontrados no âmbito da Educação inclusiva.

Em 2017, surgiu a oportunidade de mudarmos nossa sede para outro endereço, juntamente com respaldo de um investidor. O projeto ficou maravilhoso! Um sonho antigo que seria realizado com muito esmero. Porém, já no final do ano, esse sonho precisou ser colocado de novo no cantinho secreto do coração, infelizmente… Por questões financeiras, tivemos que adiar o sonho, mas não sem esperança de que ele ainda se realizará!

Finalizamos o ano de 2018 com 167 alunos. Continuamos contanto com pais presentes, comunidade escolar ativa e com uma equipe composta por 40 funcionários comprometidos, com a certeza de que dias melhores virão!

 

1.7   IDENTIDADE

Ao longo de sua história o Centro Educacional Iza Rizzotti vem construindo sua identidade com base no respeito à multiplicidade cultural e social. Respeitamos a diversidade e por isso buscamos compreender quem é o nosso aluno e quais são suas particularidades e necessidades.

Segundo Vygotsky a construção do pensamento e da subjetividade é um processo cultural e não uma formação natural da espécie humana (1984). Por isso acreditamos na constante transformação humana em função da adaptação ao meio.

A concepção de criança é uma noção historicamente construída e consequentemente vem mudando ao longo dos tempos, não se apresentando de forma homogênea nem mesmo no interior de uma mesma sociedade e época. Assim , é possível que, por exemplo, em uma mesma cidade existam diferentes maneiras de se considerar as crianças pequenas dependendo da classe social a qual pertencem, do grupo étnico do qual fazem parte. (RCNEI, v.1, 1998, p. 21)

 

A infância não é um conceito abstrato ou uma circunstância estanque, mas é obra do tempo e do espaço em que está inserida, resultante das relações sociais em curso, e que se transforma na medida em que o ambiente sociocultural evolui (VENTURELLA, 2003, p.37)

 

Neste contexto, o Centro Educacional Iza Rizzotti tem como missão desafiadora e premente: compreender, conhecer e reconhecer o jeito particular das crianças, e de como essas são e estão no mundo. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9394/96):

A Educação Infantil, como primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. (LDB 9394/96, p. 25 e 26)

 

Em nossa instituição buscamos formar em parceria com as famílias, sujeitos conscientes de seus direitos e deveres sociais. Pretendemos que nossos alunos compreendam que o individualismo deve dar lugar à solidariedade, o privilégio à justiça e finalmente que “as coisas” devem dar lugar às pessoas.

 

1.8   MISSÃO

Sabemos da importância do papel da Escola como agente de socialização e entendemos que os problemas nas diversas situações de aprendizagem são ferramentas fundamentais da construção do conhecimento e oportunizam a criança, através da discussão com outras crianças, elaborar melhor seu pensamento.

A socialização na educação infantil é importante para que as crianças aprendam a negociar e a resolver conflitos, parte fundamental da formação humana, uma vez que, desde cedo, elas vão aprendendo a relacionar-se com parceiros diversos.

Dessa forma o Centro Educacional Iza Rizzotti reafirma sua identidade de instituição de educação assumindo a tarefa de educar e cuidar conforme os valores humanos, em formar pessoas cada vez mais comprometidas com o bem-estar de todos, transformando as relações sociais, criando uma nova ordem que satisfaça o mais profundo anseio do ser humano: a felicidade.

Pretendemos garantir às nossas crianças ações de educação nas quais o cuidar e o educar sejam indissociáveis. Reconhecemos nossos alunos como sujeitos competentes e detentores de conhecimentos que precisam ser reconhecidos e aprimorados (PROSIÇÕES CURRICULARES, 2009).

2. A EDUCAÇÃO INFANTIL

A Educação infantil passou por importantes mudanças, principalmente ao final da década de 80 e durante os anos 90. Nesse período teve início o movimento em busca de um trabalho adequado às especificidades das crianças de zero a cinco anos, assim como a preocupação com a formação dos professores que atuam junto a essa faixa etária.

Essas mudanças são marcadas, pela Constituição Federal de 1988 pelo documento Política Nacional de Educação Infantil apresentado em 1994; pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em 1996, e também pelos trabalhos e pesquisas de profissionais da área (OLIVEIRA, 2002, CRAIDY e KAERCHER, 2001, KRAMER, 2003).

A Constituição Federal (1988) apresentou contribuições e avanços para a valorização da criança como sujeito de direitos que interage com seu meio e tem sua própria cultura. Dessa forma, constitui-se um marco decisivo, em busca de um caráter para as instituições de educação infantil, que se difere da família, dos hospitais e da escola de Ensino Fundamental.

Acredita-se na qualificação do professor da Educação Infantil, uma vez que estes têm a função de educar e cuidar de forma integrada, sem sobrepor o cuidado à educação e vice-versa. Preocupa-se com a valorização destes profissionais, no que diz respeito às condições de trabalho, plano de carreira, remuneração e formação. BUJES enfatiza que:

Compete à educadora perceber quais são as características daquela criança, seu jeito de ser e de se relacionar com o novo ambiente que agora passará a frequentar bem como a maneira como interage com os/as colegas e com as pessoas que dela cuidam/educam. É preciso, respeitar o ritmo de cada criança, bem como suas manifestações de medo e ansiedade
(BUJES, 2001, p. 32).

 

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº. 9.394/96 definiu pela primeira vez que a Educação Infantil faz parte da educação básica, ao invés de permanecer ligado a órgãos de saúde ou assistência social. Vincular a Educação Infantil à educação foi uma das preocupações dos pesquisadores da área e já fazia parte de reivindicações antigas de movimentos sociais preocupados com a educação da criança pequena.

A partir das deliberações legais, foi reconhecida a obrigatoriedade de todas as crianças maiores de quatro anos frequentarem creches e pré-escolas. O direito de frequentar um ambiente seguro e educativo passou a ser também da criança e não apenas da mãe trabalhadora.

 

2.1  CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA

Partimos da concepção de criança como um ser sócio-histórico-cultural, e portanto, precisamos compreendê-la numa perspectiva integral, valorizando os seus aspectos afetivos, psicológicos, motores, cognitivos, como também suas individualidades e subjetividades, possibilitando a convivência e a interação da mesma, com outras crianças e com os adultos, num ambiente seguro e acolhedor, que favoreça as suas aprendizagens e o seu desenvolvimento.

Acreditamos na concepção da criança como um ser particular, com características bem diferentes das dos adultos e contemporaneamente como portador de direitos enquanto cidadão, o que torna o atendimento de 0 a 5 anos ainda mais específico, exigindo do professor uma postura consciente de como deve ser realizado o trabalho, quais as suas necessidades enquanto criança e como cidadão.

Compreendemos a criança, como sujeito sócio, histórico e cultural que significa, ressignifica e representa o mundo, que participa de uma cultura e dialoga com ela num contexto histórico, deixando com isso as suas marcas. Desse modo, estamos constantemente, revendo nossa relação com a criança que atendemos, buscando construir novos conceitos acerca da mesma. Compreendendo que ela se encontra inserida em um mundo complexo de múltiplos espaços e culturas e em outro tempo, diferente da nossa.

Assim, em nossa prática educativa, procuramos perceber os modos singulares da criança sentir e pensar o mundo que a cerca. A forma como ela brinca, joga, imagina, representa, constrói e reconstrói suas próprias hipóteses numa lógica que lhe é peculiar.     Utilizamos as mais diversas linguagens propiciando que a criança expresse seus pensamentos e sentimentos. Promovemos brincadeiras e oportunizando os jogos simbólicos para que a criança possa compreender a realidade e suas contradições, crescendo, aprendendo e amadurecendo com elas.

Entendemos que o desenvolvimento da criança não é universal, mas apresenta singularidades e diferenças e, partindo desse conhecimento, estamos sempre buscando promover a vivência de experiências escolares capazes de impulsionar o desenvolvimento, respeitando a identidade de cada um. Nosso trabalho visa sempre levar em consideração as necessidades e quereres específicos das crianças, escutando-as em suas múltiplas manifestações e, principalmente, pensando no coletivo da instituição, no modo como vamos proporcionar às crianças oportunidades de viverem suas infâncias em nosso contexto educacional.

Compreendemos que as crianças precisam ser acolhidas e respeitadas em suas singularidades, que necessitam experimentar situações significativas de trocas com o outro, ampliar e qualificar os modos como vivem sua experiência de infância, para verdadeiramente serem felizes.

Nesse sentido, nosso trabalho no Centro Educacional Iza Rizzotti, está pautado em firmar nossa maneira de olhar e entender as infâncias, contribuindo para a aprendizagem e desenvolvimento das crianças a nós confiadas, considerando-as como sujeito de direitos, favorecendo a construção de sua identidade e autonomia, de conhecimentos sobre o mundo físico e social, além, de habilidades peculiares a cada faixa etária.

 

2.2.  O CUIDAR E O EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Em 1994, o Ministério da Educação (MEC) aprovou a Política Nacional de Educação Infantil que apresenta diretrizes pedagógicas relacionadas à caracterização da educação infantil. O documento define que o trabalho realizado com as crianças de zero a cinco anos deve cumprir duas funções complementares e indissociáveis: cuidar e educar, complementando os cuidados e a educação realizados na família (BRASIL, 1998).

Todos os momentos podem ser pedagógicos e de cuidados no trabalho com crianças de zero a seis anos. Tudo dependerá da forma como se pensam e se procedem as ações. Ao promovê-las proporcionamos cuidados básicos, ao mesmo tempo em que atentamos para construção da autonomia, dos conceitos, das habilidades, do conhecimento físico e social
(BARBOSA e HORN, 2001, p. 70).

De acordo com as novas diretrizes nacionais, as ações de educar e cuidar devem caminhar juntas. Nós, educadores do Centro Educacional Iza Rizzotti, entendemos que o cuidar e o educar caminham simultaneamente e de maneira indissociável, possibilitando que ambas as ações construam na totalidade, a identidade e a autonomia da criança. Acreditamos que uma ação conjunta dos educadores e demais membros da equipe da instituição é essencial para garantir que o cuidar e o educar aconteçam de forma integrada.

Dessa forma, quando nos propomos a trabalhar com crianças pequenas, buscamos como princípio e objeto de ação educativa, conhecer seus interesses e necessidades, saber verdadeiramente quem são elas, saber um pouco da história de cada uma, conhecer sua família, as características da faixa etária e a fase de desenvolvimento em que se encontram.

Abandonamos quaisquer conotações assistenciais, garantindo que a criança possa ter seus direitos respeitados dentre eles, o de viver a infância, pois, a nossa escola é um espaço educativo de ações sociais e culturais.

Entendemos que o cuidar educando implica reconhecer que o desenvolvimento, a construção dos saberes e a constituição do ser não ocorrem em momentos estanques e compartimentados e que a criança é um ser completo, em interação social e em construção como ser humano permanentemente estabelecido em tempo integral.

Cuidar educando, no Centro Educacional Iza Rizzotti, significa compreender que o espaço/tempo em que a criança vive exige esforço particular e a mediação de todos os educadores, como forma de proporcionar um ambiente que estimule a curiosidade com consciência e responsabilidade.

 

2.2.1  O cuidar

Na Educação Infantil o “cuidar” é parte integrante da educação, que exige conhecimentos, habilidades e instrumentos que extrapolam a dimensão pedagógica. O cuidar no contexto educativo necessita da integração de vários campos de conhecimento e da cooperação de profissionais de diferentes áreas.

O mais importante, no cuidado humano, é compreender como ajudar o outro a se desenvolver como ser humano. Cuidar significa valorizar e ajudar a desenvolver capacidades. O cuidado é um ato em relação ao outro e a si próprio, que possui uma dimensão expressiva e implica em procedimentos específicos (SIGNORETTE, 2002, p. 23).

 

No Centro Educacional Iza Rizzotti propomos o desenvolvimento de um trabalho que signifique o educar e o cuidar permanente e adequado, através dos cuidados relacionais, que envolvem a dimensão afetiva, dos cuidados com os aspectos biológicos do corpo, assim como a qualidade da alimentação e a promoção da saúde.

As formas de cuidar são geralmente influenciadas por crenças e valores em torno da saúde, da educação e do desenvolvimento infantil. Alimentar-se, proteger-se entre outras, são necessidades básicas de todo ser humano. De posse desse entendimento, procuramos as formas de identificação, valorização e atendimento como construção social, modificando e/ou acrescendo outras ações necessárias conforme o contexto sociocultural apresentado pelas crianças atendidas.

Na percepção tanto dos gestores quanto dos educadores, cuidar em nosso espaço educativo vai além dos cuidados primários como higiene, alimentação e sono. Essa preocupação existe desde a organização dos espaços (ventilação, limpeza, segurança, higiene dos equipamentos), a atenção aos materiais que são oferecidos, como os brinquedos, o respeito às manifestações da criança e principalmente consideração às necessidades afetivas que são essenciais para o desenvolvimento da mesma.

 

2.2.2   O educar

O Centro Educacional Iza Rizzotti procura tornar acessível a toda criança que frequenta o seu espaço educativo, sem discriminação, elementos da cultura que propiciem, ampliem e enriqueçam o seu desenvolvimento e a sua inserção social, cumprindo assim, com seu papel socializador enquanto instituição de educação infantil, capaz de promover o desenvolvimento da identidade das crianças, por meio de aprendizagens diversificadas, realizadas em situações de interação.

Brincadeiras, situações pedagógicas intencionais ou aprendizagens orientadas pelos educadores, são estratégias que utilizamos em nosso dia a dia visando oferecer condições para a aprendizagem das crianças.

Educar, no Centro Educacional Iza Rizzotti, significa propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens orientadas de forma integrada, que contribuam para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação interpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica de aceitação, de respeito e confiança, e o acesso, pelas crianças, aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural.

Nessa perspectiva, visamos contribuir para formar crianças felizes e saudáveis, auxiliando-as no desenvolvimento de suas capacidades de apropriação e conhecimento de suas potencialidades corporais, afetivas, emocionais, estéticas e éticas.

O processo educativo é realizado de várias formas: na família, na rua, nos grupos sociais e, também, na instituição. Educar, nessa primeira etapa da vida, não pode ser confundido com cuidar, ainda que crianças (especialmente as de zero a três anos) necessitem de cuidados elementares para garantia da própria sobrevivência. O que deve permear a discussão não são os cuidados que as crianças devem receber, mas o modo como elas devem recebê-los, já que se alimentar, assear-se, brincar, dormir, interagir são direitos inalienáveis à infância
(GARCIA, 2001, p.56).

 

Acreditamos que criar situações significativas de aprendizagem é o caminho para alcançar o desenvolvimento de habilidades cognitivas, psicomotoras, sócio afetivas e, fundamentalmente para que a formação das crianças seja vista como um ato inacabado, sempre sujeito a novas inserções, a novos recusos, a novas tentativas. Assim construímos o nosso fazer pedagógico, flexível, dinâmico e integrado, respeitando cada criança como sujeito de direito.

 

2.3   O brincar

Através do ato do brincar a criança significa o mundo, lançando um olhar próprio sobre os elementos da cultura, apropriando-os de forma singular. Esse olhar foi construído através do processo histórico de diferenciação do adulto e varia de cultura para cultura de acordo com os valores atribuídos aos seus elementos, sendo transmitidos de geração a geração através da ação infantil, denominada brincar.

Brincar com crianças não é perder tempo, é ganhá-lo; se é triste ver meninos sem escola, mais triste ainda é vê-los sentados enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação do homem.
Carlos Drummond de Andrade

 

Durante a brincadeira a criança busca compreender e significar o mundo, experimenta e indaga acerca da realidade, atribuindo a ela um sentido próprio. Quando a criança brinca, ela está construindo significados.

Segundo Debortoli (1999) as crianças podem ser conhecidas em suas brincadeiras, pois nelas as crianças se identificam e identificam o outro. Nesse sentido as experiências proporcionadas pelo brincar são muito importantes para a formação do sujeito. Se a criança traz marcas da cultura que a cerca, se a sociedade influencia na sua formação, a sua forma de brincar também vem carregada de marcas socioculturais.

Para Wajskop (1995) a criança desenvolve-se através de sua experiência social, nas interações que estabelece, desde cedo, com o mundo adulto e a sua experiência sócio-histórica. Dessa forma, a brincadeira é considerada como uma “atividade social específica e fundamental que garante a interação e construção de conhecimentos da realidade pelas crianças”.

A brincadeira infantil pode constituir-se em uma ação na qual as crianças, sozinhas ou em grupo, procuram compreender o mundo e as ações humanas nas quais estão inseridas cotidianamente e cabe ao adulto ter um olhar sensível para tudo aquilo que é revelado pela criança durante a ação de brincar.

No tocante ao brincar, propriamente dito, nós do Centro Educacional Iza Rizzotti consideramos que a brincadeira se constitui em um espaço de aprendizagem, de imaginação e de reinvenção da realidade, sendo fundamental para o desenvolvimento infantil. É através da brincadeira que a criança desenvolve a sua imaginação, a memória, a atenção, criando e recriando a realidade na qual está inserida, construindo valores e atitudes, enfim, se constituindo enquanto sujeito, produto e produtor de cultura no contexto onde está inserida. Por isso, buscamos organizar tempo e espaços que privilegiem o brincar e a ludicidade em nossa instituição.

Entendemos que o brincar é uma das atividades fundamentais para o desenvolvimento da identidade e da autonomia. Através das brincadeiras as crianças desenvolvem capacidades importantes como atenção, imitação, memória e imaginação. Assim, amadurecem capacidades de socialização, por meio da interação da utilização e experimentação de papéis sociais. Por isso, o brincar, através de jogos, brinquedos e brincadeiras no Centro Educacional Iza Rizzotti, está sempre presente, nos momentos de atividades livres e dirigidas, cotidianamente.

Outra estratégia muito utilizada em nosso espaço educativo é a promoção de momentos de faz de conta, estimulando a fantasia e a imaginação que são elementos fundamentais para que a criança aprenda mais sobre a relação entre as pessoas, sobre o eu e sobre o outro.

Sabemos que a promoção do crescimento e do desenvolvimento do potencial biológico, emocional e cognitivo das crianças na instituição educativa passa pelo brincar. Portanto, o brincar constitui uma atividade permanente e constante no Centro Educacional Iza Rizzotti, respeitando o interesse que as crianças apresentam nas diferentes faixas etárias.

Ao refletirmos sobre o planejamento para cada nível, torna-se necessário estabelecer um núcleo comum de capacidades e habilidades a serem construídas e desenvolvidas em cada faixa etária. Nossa instituição organiza os espaços, o tempo e as rotinas, a fim de garantir às crianças vivenciar diversas atividades, que favoreçam a experimentação de situações através das diferentes linguagens por meio das interações com o outro e consigo mesma.

 

2.4   BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS

A introdução de brinquedos e brincadeiras na Educação Infantil, implica definir o que se pensa da criança. Quem é ela? Como brinca? O brincar é importante? Kishimoto (2010) afirma que a criança, mesmo pequena, sabe muitas coisas: toma decisões, tem suas escolhas, interage com as pessoas, expressa o que sabe fazer e é capaz de compreender o mundo.  O brincar é uma ação livre, iniciada e conduzida pela criança; permite à criança o prazer, não exige como condição um produto final, relaxa, envolve, ensina regras, linguagens, desenvolve habilidades e introduz a criança no mundo imaginário.

O desenvolvimento infantil se encontra fortemente ligado ao ato de brincar, sendo a brincadeira a linguagem própria da criança, através da qual lhe será possível o acesso à cultura e sua assimilação, o que torna o brincar fundamental à vida da criança, melhorando seu desenvolvimento cognitivo e motor.

Nós, profissionais do Centro Educacional Iza Rizzotti concordamos com Kishimoto (2010) quando ela afirma que todo o período da educação infantil é importante para a introdução das brincadeiras:

Pela diversidade de formas de conceber o brincar, alguns tendem a focalizá-lo como característico dos processos imitativos da criança, dando maior destaque apenas ao período posterior aos dois anos de idade. O período anterior é visto como preparatório para o aparecimento do lúdico. No entanto, temos clareza de que a opção pelo brincar desde o início da educação infantil é o que garante a cidadania da criança e ações pedagógicas de maior qualidade.
(KISHIMOTO, 2010, p. 1)

 

Sabemos que ao brincar, a criança experimenta o poder de explorar o mundo dos objetos, das pessoas, da natureza e da cultura, para compreendê-lo e expressá-lo por meio de variadas linguagens. Porém, é no plano da imaginação que o brincar se destaca pela mobilização dos significados.

A brincadeira é a ferramenta fundamental para a criança se expressar, aprender e se desenvolver. A criança não nasce sabendo brincar, ela aprende por meio das interações com outras crianças e com os adultos, por isso é fundamental que o educador esteja atento aos conhecimentos prévios das crianças acerca de si mesmas e de sua corporeidade. O professor deve observar as brincadeiras dos educandos, ter um cuidado especial no momento de intervir neste mundo imaginário e no faz de conta sem tirar a magia da criança.

Para oportunizar aos nossos alunos momentos de faz de conta, organizamos na instituição, espaços e momentos nos quais as crianças podem se esconder, fantasiar-se, brincar sozinhas ou em grupos, de casinha, de construir robôs, navios e tantas outras coisas do seu imaginário. Nesses espaços, as crianças encontram à sua disposição, retalhos de panos, cordas, embalagens de produtos vazios e outros objetos que incentivam o imaginário. Brinquedos e acessórios para a casinha, tais como: micro-ondas, fogão, pia, máquina de lavar, armário de cozinha, penteadeira, cama, mercadinho e outros elementos da casa, também fazem parte do acervo de brinquedos presentes em nossa Escola. Para facilitar a construção das ações simbólicas das crianças, esses materiais estão organizados seguindo um critério.

Jogos como quebra-cabeças, tangran, ábacos, trilhas, dominó, amarelinha etc., também fazem parte do material utilizado em nossa Escola. Esses brinquedos são utilizados pelos educadores e ofertados às crianças em situações nas quais elas possam conversar sobre as brincadeiras, suas regras e orientações relacionadas às mesmas.

3. DIRETRIZES PEDAGÓGICAS

3.1  A ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

As diretrizes gerais sobre a Educação Infantil estão expressas na Constituição Federal de 1988, nos trabalhos que se seguiram no âmbito legislativo, no Estatuto da Criança e do Adolescente, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9.394/96), que estabelece, que a Educação Infantil é a primeira Etapa da Educação Básica, e, principalmente, no Plano Nacional de Educação.

O processo de desenvolvimento da criança é visto, nessa proposta, como resultado de interação da criança com seu meio físico e social. Nessa interação, a criança modifica seu ambiente e é por ele modificada. Os resultados são tanto mais relevantes para o desenvolvimento infantil e para a construção do conhecimento quanto mais prazerosa, lúdica e carregada de afeto a interação.

Respeitamos e seguimos os princípios do pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, coerentes com os princípios expressos em nosso Regimento. Os Quatro Pilares da Educação para esse novo século, nos levam a uma reflexão sobre a necessidade de trabalharmos valores e habilidades no educando para o aprender durante toda a vida, não somente na Escola. O Centro Educacional Iza Rizzotti, tem como objetivo atender crianças, com segurança e profissionalismo, visando desenvolvimento integral do educando em seus aspectos físicos, psicológicos, intelectuais e sociais, complementando a ação da família e da comunidade. A Educação Infantil é oferecida em creche para crianças de zero a três anos de idade e pré-escola para crianças de quatro e cinco anos de idade.

 

3.2  A ESTRUTURA DA ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA

Todo o trabalho pedagógico tem como centro o aluno em suas aprendizagens, através das interações com ele mesmo, com outras crianças, com adultos e com o meio que o cerca. O Plano de Ação Pedagógica no Centro Educacional Iza Rizzotti é coerente com os princípios estabelecidos nas regulamentações públicas municipais e com os Quatro Pilares da educação, portanto, tem uma ação contínua, participativa, reflexiva, interativa e flexível. A concepção da base da educação de acordo com Jacques Delors:

  • 1° Pilar – Aprender a CONHECER:

Refere-se à aquisição de conhecimentos e de processos cognitivos: raciocínio lógico, compreensão, dedução, intuição, memória, entre outros. Consiste além de ensinar, despertar a vontade de aprender, de querer saber mais e melhor. Uma motivação que deve ser despertada por educadores competentes, sensíveis às necessidades, dificuldades e características peculiares de cada indivíduo, através de metodologias adequadas que facilitem a compreensão e aprendizagens. O professor tem um papel muito importante de ajudar o aluno a desenvolver mecanismos que permitam o pensamento crítico.

  • 2° Pilar – Aprender a FAZER:

O pilar do aprender a fazer se torna inseparável do aprender a conhecer, pois, são necessárias bases teóricas, para se aplicar na prática. Não basta apenas reter conhecimentos, é preciso interpretá-los, selecionando informações que trazem benefícios para as crianças ao longo da vida.

  • 3° Pilar – Aprender a CONVIVER:

Trata-se de um desafio de se trabalhar no campo das atitudes e valores. Trabalhar a educação como função socializadora de combate ao preconceito, a resolução de conflitos, tolerância, compreensão, diversidade humana e a descoberta progressiva do outro.

  • 4° Pilar – Aprender a SER:

Refere-se a própria finalidade da educação que busca o desenvolvimento integral do aluno.  Uma aprendizagem que visa a “formação de indivíduos, autônomos, intelectualmente ativos e independentes, capazes de se relacionar, se comunicar e evoluir permanentemente, de intervir de forma consciente e proativa na sociedade.”

Os pilares são norteadores do currículo que também é a peça fundamental da Proposta Pedagógica institucional. A construção do conhecimento através das múltiplas linguagens se dará de maneira inter-relacionada. O trabalho com as linguagens deve ser globalizante e intencional, de maneira que determinadas linguagens não sejam privilegiadas em detrimento de outras.

As turmas serão oferecidas em turnos manhã, tarde e contraturno para creche e pré-escola. A Proposta Pedagógica do Centro Educacional Iza Rizzotti está fundamentada numa concepção de criança como sujeito de direitos, ser social e histórico, participante ativo no processo de construção de conhecimentos, devendo assegurar:

  • Princípios éticos da autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do respeito ao bem comum;
  • Princípios políticos dos direitos e deveres de cidadania, do exercício da criatividade e do respeito à democracia;
  • Princípios culturais, de sensibilidade, de criatividade, de ludicidade e da diversidade das manifestações artísticas e culturais;
  • O respeito à identidade pessoal dos alunos e de suas famílias, professores, outros profissionais e à identidade do Centro Educacional Iza Rizzotti;
  • A integração entre os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivo/linguístico e sociais da criança.

O Centro Educacional Iza Rizzotti assume como comprometimento básico, preparar os primeiros alicerces de seus alunos para a vida. Seus futuros passos deverão estar alinhados com os novos desafios da nova Era da Informação, e, juntamente com o conhecimento, deverão desenvolver habilidades e competências.

4. DA ORGANIZAÇÃO E COMPOSIÇÃO CURRICULAR

A criança é um sujeito sócio – histórico – cultural que através de suas relações com a natureza e com os sujeitos do seu meio, vivencia práticas sociais diversas. Dessa forma, constrói sua identidade, seus valores, atitudes e pensamentos, seja no contato com adultos ou com seus pares, favorecendo assim seu desenvolvimento físico e afetivo (cognitivo, social, ético e estético).

Todo o trabalho desenvolvido considera a infância como um tempo de vivências, de forma que a criança possa significar o mundo através do diálogo com os elementos da cultura a partir de sua lógica infantil. Buscamos promover uma aprendizagem intencional através de práticas pedagógicas que ofertam determinados conhecimentos, instrumentos, procedimentos e valores culturais, adequados às necessidades específicas e às possibilidades de desenvolvimento e aprendizagem de cada aluno, a fim de que conheçam sua realidade física e social.

A Base Nacional Comum Curricular, documento de caráter normativo que define o conjunto de aprendizagens, estabelece para o trabalho Campos de Experiências: O Eu, o Outro e o Nós/Corpo, gestos e movimentos/Traços, sons, cores e formas/Escuta, fala, pensamento e imaginação/Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações.

Tais Campos permitem que a criança comunique e se expresse para construir novos conhecimentos, crie significados e se aproprie do mundo a partir de vivências de inúmeras experiências, ampliando sua visão de mundo, atendendo suas necessidades básicas e garantindo seu direito de desenvolver múltiplas linguagens.

Ao refletirmos sobre o planejamento para cada ciclo, constatamos ser necessário estabelecer um núcleo comum de capacidades e habilidades a serem construídas e desenvolvidas em cada faixa etária. Nossa instituição organiza os espaços, o tempo e as rotinas a fim de garantir que as crianças vivenciem diversas atividades que favoreçam a experimentação de situações através dos diferentes campos, por meio das interações com o outro e consigo mesma.

No Centro Educacional Iza Rizzotti essa organização intencional envolve o trabalho de cuidar das crianças e educá-las, tendo como perspectiva possibilitar que elas aprendam determinados conhecimentos, instrumentos, procedimentos e valores da cultura. Os professores deverão organizar sua prática às necessidades específicas, às possibilidades de desenvolvimento e habilidades das crianças.

 

4.1  ORGANIZAÇÃO POR  IDADE

O Centro Educacional Iza Rizzotti, apresenta o fundamento de formação pessoal, social e intelectual, atendendo crianças da Educação Infantil, com idades de referência 0(ano) e  5(anos) atendendo às várias linguagens.

A organização de grupos decorrerá da especificidade da Proposta Pedagógica, das condições do espaço físico e das características do grupo de crianças, sendo recomendada a relação professor/criança, tomando como referência as idades aproximadas:

  • Crianças de 0 anos – até 3 crianças por cuidador;
  • Crianças de 1 ano – até 12 crianças por professora;
  • Crianças de 2 anos – até 16 crianças por turma;
  • Crianças de 3 a 4 anos – até 20 crianças por turma;
  • Crianças de 4 a 5 anos – até 20 crianças por turma.

 

4.2  ORGANIZAÇÃO DOS TEMPOS E ESPAÇOS

O cotidiano da Escola se pauta na organização das rotinas que preveem horário de chegada, acolhida das crianças, alimentação, higiene, repouso, brincadeiras, jogos diversificados, faz de conta, jogos imitativos e motores, exploração de materiais gráficos e plásticos, exploração dos livros de histórias e as atividades coordenadas pelos adultos.

A rotina é flexível e dinâmica respeitando interesses das crianças, atendendo a necessidade do brincar, estimulando a curiosidade pelo mundo que a cerca, possibilitando a ampliação do seu universo sociocultural, acessando conhecimentos científicos, expressões e manifestações artísticas. O planejamento da jornada na Escola contém atividades diversificadas, como:

  • Atividades de livre escolha: as crianças escolhem o que desejam fazer, cabendo ao professor preparar ambientes específicos para esse momento, sendo um período adequado para o educador intervir e acompanhar as crianças, fazendo observações significativas durante as interações;
  • Atividades coletivas: passeios, festas, visitas de pessoas ou profissionais da comunidade;
  • Atividades coordenadas pelos adultos propostas para o grupo, como:
  • Construção do planejamento da rotina diária;
  • Jogos sensoriais, naturais, musicais, dramáticos e em grupo;
  • Brincadeiras de roda cantadas;
  • Atividades de planejamento e construção de um projeto;
  • Decoração e organização da sala e escola;
  • Relatos de histórias, poesias, parlendas;
  • Pesquisas de materiais diversos.

A organização dos tempos é norteada pelo SINPRO. A carga horária por semana dos professores é de vinte e duas horas e trinta minutos.

 

4.3  COMPONENTES CURRICULARES

4.3.1  Organização em âmbitos e eixos

A organização da escola visa abranger diversos e múltiplos espaços de elaboração de conhecimentos e de diferentes linguagens, a construção da identidade, os processos de socialização e o desenvolvimento da autonomia das crianças que propiciam, por sua vez, as aprendizagens consideradas. Os âmbitos são compreendidos como domínios ou campos de ação que dão visibilidade aos eixos de trabalho educativo para que o professor possa organizar sua prática e refletir sobre a abrangência das experiências que propicia às crianças. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil define dois âmbitos de experiências:

  • Formação pessoal e social;
  • Conhecimento de mundo.

O âmbito de Formação Pessoal e Social refere-se às experiências que favorecem, prioritariamente, a construção do sujeito. Está organizado de forma a explicitar as complexas questões que envolvem o desenvolvimento de capacidades de natureza global e afetiva das crianças, seus esquemas simbólicos de interação com os outros e com o meio, assim como a relação com elas mesmas. Buscamos oferecer condições para que as crianças aprendam a conviver, a ser e a estar com os outros e com elas mesmas em uma atitude básica de aceitação, de respeito e de confiança. Este âmbito abarca o Campo de Experiência O Eu, O outro e o Nós.

O âmbito de conhecimento de mundo refere-se à construção das diferentes linguagens pelas crianças e às relações que estabelecem com os objetos de conhecimento. Este âmbito enfatiza as relações das crianças com alguns aspectos da cultura.

A cultura é aqui entendida de uma forma ampla e plural, como conjunto de códigos e produções simbólicas, científicas e sociais da humanidade construída ao longo das histórias dos diversos grupos, englobando múltiplos aspectos e em constante processo de reelaboração e ressignificação. Destacam-se os seguintes Campos de Experiência: Corpo, gestos e movimentos, Traços, sons, cores e formas, Escuta, fala, pensamento e imaginação, Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações. Esses Campos foram escolhidos por constituírem uma parcela significativa da produção cultural humana que amplia e enriquece as condições de inserção das crianças na sociedade.

 

4.4. CAMPOS DE EXPERIÊNCIA E OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

4.4.1 O Eu, O outro e o Nós

Nossa instituição preocupa-se em proporcionar aos alunos oportunidades para a formação da Identidade pessoal, social e da autonomia. Esse trabalho envolve o conhecimento e o reconhecimento da própria imagem, características físicas, qualidades, potencialidades, ideias, opiniões, autoestima e a percepção do outro.

Ao conviver com variados grupos, cada um com suas origens e hábitos culturais, a criança passa a adquirir conhecimentos sobre realidades distintas. Passa a conhecer o outro e a respeitar suas particularidades, ampliando assim, suas inter-relações construindo sua identidade social.  As práticas pedagógicas nas rotinas diárias, conduzirão as crianças a sua inserção nas relações éticas e morais que permeiam nosso meio, através dos valores, ideias, costumes e papéis sociais.

O desenvolvimento da identidade e da autonomia estão intimamente relacionados com os processos de socialização. Nas interações sociais se dá a ampliação dos laços afetivos que as crianças podem estabelecer com as outras crianças e com os adultos, contribuindo para que o reconhecimento do outro e a constatação das diferenças entre as pessoas sejam valorizadas e aproveitadas para o enriquecimento de si próprias.
(BRASIL, RCNEI, v.1, pág.11.)

 

Diante disso, justifica-se a importância dada em nossa proposta de trabalho à formação social, tendo em vista também, a construção de sujeitos autônomos, que saibam defender seu ponto de vista e expressar de forma coerente suas opiniões e sentimentos, fazendo uso dos seus direitos e deveres na sociedade.

4.4.2   Corpo, Gestos e Movimentos

No Centro Educacional Iza Rizzotti, a ênfase ao trabalho de desenvolvimento de competências motoras está centralizado na diversificação dos movimentos fundamentais de locomoção, tais como andar, correr, saltar, saltitar, deslizar, escalar; de manipulação, como: arremessar, receber, chutar, rebater, quicar, rolar; de estabilização, como: equilíbrio estático (ficar num só pé), equilíbrio dinâmico (andar numa superfície estreita) e apoios invertidos (parada de cabeça, parada de mãos, estrela).

Tudo isso contextualizado em atividades da cultura lúdica infantil. O objetivo é que a criança possa utilizar atividades de movimento em contextos significativos de sua experiência. Um trabalho com o movimento contribui com as questões atitudinais, com a capacidade de se relacionar com o outro, dialogar e resolver problemas, o que sempre acontece em contextos de jogos e brincadeiras.

As atividades coletivas e os jogos em grupo, reúnem situações extremamente produtivas para o desenvolvimento da capacidade de diálogo, de respeito ao outro e proporcionando momentos de prática e consciência das regras.

O desenvolvimento físico-motor possibilita uma mudança na relação da criança com o mundo. Ao nascer, a criança é dependente fisicamente dos adultos que a cercam. Com o passar do tempo, ela vai descobrindo a necessidade de tornar-se um sujeito capaz de realizar movimentos por si mesmo. É o que chamamos de autonomia.

O movimento é a forma de expressão dos sentimentos, emoções, pensamentos e ideias. É através do movimento que a vida manifesta-se; não há vida sem movimento. Por outro lado, precisamos compreender que a criança utiliza o movimento como forma primária de expressão porque é a forma que ela mais domina. Afinal, ela vem experimentando o movimento desde sua concepção enquanto as outras formas de comunicação apenas vem fazer parte da vida delas mais tarde. Portanto, uma criança de cinco anos movimenta-se aproximadamente há cinco anos e nove meses, fala há aproximadamente três anos e meio, registra em papéis há aproximadamente três anos. Qual destes aspectos, pelo tempo de prática ela vai dominar melhor? (não esquecendo que a fala e o registro também exigem movimento)
(BRASIL, RCNEI)

 

O Centro Educacional Iza Rizzotti enfatiza a importância do trabalho do movimento corporal e do processo de desenvolvimento do mesmo. Isso significa que a criança tem que ser capaz de controlar seu próprio corpo, mas para que tal habilidade seja desenvolvida no espaço escolar, é de suma importância que a escola promova momentos em que a atividade corporal seja realizada de forma livre ou orientada. É através do corpo que a criança brinca e ganha recursos adequados para sua sociabilidade, garantindo sua independência e ainda contribuindo para que tenha um bom conceito de si mesma e da organização espacial.

O papel da família, da escola e de todos os adultos que cuidam da criança no decorrer de seu desenvolvimento é de suma importância, pois a estimulação precoce incentiva essa cadeia muscular a adquirir destreza e reflexos.

O desenvolvimento motor é observado desde o terceiro mês de gestação, quando o feto começa a movimentar membros inferiores e superiores, depois no quarto mês observamos os famosos “pontapés” mencionados pelas mamães. A coordenação dinâmica global e o equilíbrio são resultados de uma sintonia perfeita entre ações musculares em repouso e em movimento.

A tomada de consciência do corpo requer a atuação de habilidades cognitivas específicas. Por esse motivo, o desenvolvimento motor no decorrer dos primeiros anos de vida da criança, está em estreita relação com a inteligência, pois geralmente a criança que apresenta uma dificuldade motora, pode sofrer um atraso no seu desenvolvimento intelectual.

As atividades para o desenvolvimento da linguagem motora são realizadas com a finalidade de aperfeiçoar o desenvolvimento sensório e corporal da criança. Dentre elas podemos citar: a marcha, engatinhar, arrastar-se, marchar sobre uma barra de madeira, rolar, pular num pé só e demais atividades que promovam o equilíbrio estático e dinâmico, como: pular corda, jogar bola, relaxamento, flexões, entre outros.

COMPETÊNCIAS

·         Manifestar e controlar progressivamente necessidades, desejos e sentimentos em situações cotidianas;

·         Demonstrar autonomia e uma autoimagem positiva em situações do cotidiano;

·         Conscientizar-se corporalmente por meio de percepções do próprio corpo;

·         Valorizar a si e aos outros;

·         Utilizar a linguagem corporal como instrumento de autoexpressão e comunicação, reconhecendo os papéis do EU e do OUTRO na comunicação, no relato de suas vivências e nas situações de interação cotidianas;

·         Construir identidade (individual e grupal) em interação com o meio em que vive por meio do movimento como forma de expressão intencional nas situações cotidianas e em brincadeiras;

·         Ampliar a expressividade do próprio movimento, utilizando gestos diversos e ritmo corporal em brincadeiras, danças, jogos e demais situações de interação;

·         Utilizar a percepção tátil, gustativa, auditiva, visual, olfativa e temporal;

·         Identificar os atributos por meio de experiências físicas e diferentes materiais (conhecimento físico);

·         Perceber as relações espaciais entre o próprio corpo e os objetos entre si em situações ligadas ao movimento;

·         Movimentar o corpo no espaço por meio das relações entre as diversas percepções: sensoriais, cinéticas (movimento), psicomotoras e afetivas.

 

 

4.4.3 Traços, Sons, Cores e Formas

As vivências da criança são expostas desde cedo ao mundo oral: a comunicação, a expressão de suas ideias, experiências, sentimentos e participação em variados contextos onde a presença da escrita ao seu redor a induz a elaborar inúmeras hipóteses sobre a mesma.

A conquista de capacidades linguísticas ocorre em tempos diferenciados, porém, é fato, que só será desenvolvida quando houver a estimulação adequada a participar em atos da linguagem. O mesmo acontece com a linguagem escrita. É por meio do contato diversificado em seu ambiente social que a criança perceberá sua funcionalidade.

Sendo assim, nossa instituição possibilita à criança vivenciar o uso de diversos materiais escritos, interpretá-los de acordo com a sua capacidade e extrair dele informações úteis ao seu cotidiano, através da compreensão da sua utilidade. É importante que o enfoque maior da linguagem oral e escrita seja a superação de uma prática técnica e instrumental, possibilitando a interação do sujeito com o mundo em um ambiente de aprendizagem estimulante, oferecendo experiências ricas e significativas.

Sabe-se que para aprender a escrever a criança terá de lidar com dois processos de aprendizagem paralelos: o da natureza do sistema de escrita da língua – o que a escrita representa e como – e o das características da linguagem que se usa para escrever. A aprendizagem da linguagem escrita está intrinsicamente associada ao contato com textos diversos, para que as crianças possam construir sua capacidade de ler, e às práticas de escrita, para que possam desenvolver a capacidade de escrever autonomamente.
(BRASIL, RCNEI, pág.128).

 

COMPETÊNCIAS

·         Ampliar possibilidades de comunicação e expressão através de situações de interação presentes no cotidiano;

·         Compreender algumas funções sociais da leitura e escrita através do manuseio de variados materiais impressos;

·         Apreciar textos lidos pelo professor;

·         Interessar-se pela escrita ainda que não seja de forma convencional;

·         Reconhecer e identificar o nome em diversas situações do cotidiano.

 

4.4.4  Escuta, Fala, Pensamento e Imaginação

As noções matemáticas que as crianças constroem ao interagir com seu grupo social abrangem diferentes capacidades propostas para a Educação Infantil:

  • Números;
  • Sistema de numeração, que envolvem contagem, notação e escrita numérica;
  • Operações matemáticas;
  • Grandezas e medidas, em que são exploradas noções relativas a comprimento, peso, volume, tempo, dinheiro;
  • Espaço e forma que compreende as relações e representações espaciais.

A observação e o convívio com situações cotidianas, como compras, conferir figurinhas, os pontos obtidos em um jogo, os horários familiares e pessoais (hora de acordar, estudar, almoçar, dormir etc.) e as relações que conseguem estabelecer (dentro, fora, longe, perto etc.) transformam-se em objetos de estudo que servirão de referência para as primeiras sistematizações em Matemática.

A seguir, listamos as capacidades que as crianças deverão desenvolver de acordo com a faixa etária, com a mediação do professor, juntamente com a instituição de educação infantil.

 

COMPETÊNCIAS

·         Estabelecer aproximações a algumas noções matemáticas presentes no cotidiano, como contagem, relações espaciais etc;

·         Manipular, explorar objetos e brinquedos em situações organizadas, de forma a existirem quantidades individuais;

·         Utilizar a contagem oral, noções de quantidade, tempo e espaço em jogos, brincadeiras e músicas em diversos contextos nos quais o seu uso se faz necessário;

·         Classificar e seriar objetos a partir das cores, formas e tamanhos;

·         Realizar encaixes construindo novas formas;

·         Utilizar noções simples de cálculo mental para resolver situações problemas;

·         Instrumentalizar o aluno para que possa utilizar sua criatividade na reelaboração e formalização de novas formas de raciocínio, tendo confiança em suas próprias estratégias e em sua capacidade para lidar com situações matemáticas novas, utilizando seus conhecimentos prévios;

·         Reconhecer e valorizar os números, as operações, as contagens orais e as noções espaciais como ferramentas necessárias no cotidiano;

·         Comunicar ideias matemáticas, hipóteses, processos utilizados e resultados encontrados em situações-problema relativos a quantidade, espaço físico e medida, utilizando a linguagem oral e a linguagem matemática;

·         Ampliar as noções que envolvem as relações de comparação, classificação, seriação, ordenação, conclusão e análise, de forma que essas noções sejam a base da construção do número e da geometria, e a medida do grande eixo articulador das questões referentes à quantidade e espaço.

 

4.4.5   Espaços, Tempos, Quantidades, Relações e Transformações

Vivemos em uma época de profundas e significativas mudanças. A ação é constante e presente em todos os momentos e lugares. O Centro Educacional Iza Rizzotti busca constantemente caminhos que oportunizem às crianças melhor atuação junto ao objeto do conhecimento.

Nesse contexto, a observação e a exploração do meio constituem duas das principais possibilidades de aprendizagem das crianças, pois proporcionam experiências concretas indispensáveis, tanto ao desenvolvimento intelectual quanto ao afetivo. É́ dessa forma que poderão gradualmente construir as primeiras noções de respeito às pessoas do seu grupo social e das relações humanas. É importante que cada um compreenda e assuma a responsabilidade com o lugar em que vive, em todas as dimensões.

É importante que as crianças tenham contato com diferentes elementos, fenômenos e acontecimentos do mundo, sejam instigadas por questões significativas para observá-los e explicá-los e tenham acesso a modos variados de compreendê-los e representá-los
(BRASIL, RCNEI, p.166).

 

Assim a Natureza, deve ser analisada levando-se em conta o seu vínculo com a sociedade uma vez que estão interligadas. Como pode-se observar,  ao longo dos tempos,  surgiram as preocupações com o meio ambiente, com os recursos naturais renováveis e não renováveis e com a continuidade da vida no planeta.

O eixo de trabalho, denominado Natureza e Sociedade reúne temas pertinentes ao mundo social e natural. O Centro Educacional Iza Rizzotti trabalha de forma integrada respeitando as especificidades das fontes, abordagens e enfoques advindos dos diferentes campos das Ciências Humanas e Naturais.

O trabalho desenvolvido no dia a dia do Centro Educacional Iza RIzzotti está voltado para a ampliação das experiências das crianças e para a construção de conhecimentos diversificados sobre o meio social e natural. Nesse sentido, refere-se à diversidade de fenômenos e acontecimentos físicos, biológicos, geográficos, históricos e culturais, ao conhecimento de várias formas de explicar e representar o mundo, ao contato com as explicações científicas, conhecer e construir novas formas de pensar sobre os acontecimentos que as cercam.

As crianças, desde muito cedo, demonstram interesse pelos fenômenos da natureza e pelas formas de organização social. O trabalho com esses dois fatores é realizado através das experiências. Experimentar exige organização e envolve a utilização de metodologias que propiciem a construção de conhecimentos do mundo social e natural.

As crianças utilizam métodos, mesmo sem ter consciência de que estão utilizando. Começam coletando dados sobre o que lhes interessa através de perguntas, observação, questionamentos. Elaboram e testam hipóteses arriscando, ao fim dos testes, algumas respostas que lhes parecem lógicas. A exploração do mundo social e natural acontece de forma gradativa e as hipóteses afirmadas em um momento podem ser novamente testadas mais tarde.

Em relação à sociedade, as crianças também elaboram e testam suas hipóteses. As crianças vem de núcleos sociais diferentes (família) para formar um novo núcleo social (escola). Esse novo núcleo social exige referências de organização interna. Cabe às crianças propor a organização e ao professor mediar e levantar questionamentos sobre as propostas, ampliando a discussão e possibilitando que os alunos cheguem à conclusão mais adequada.

Para a construção de um mundo socialmente mais justo e ecologicamente mais equilibrado, é necessária uma grande responsabilidade individual e coletiva, do nível local e global. Desse modo, os valores ensinados devem ser vivenciados pelas crianças por meio da implementação de práticas voltadas para a resolução de problemas concretos, que levem a uma participação ativa de cada criança e da coletividade.

É de suma importância que o Centro Educacional Iza Rizzotti enquanto instituição esteja voltado para os valores sócio/ambientais do bairro onde encontra-se inserido. Convocamos as famílias para debater sobre os problemas e possíveis soluções como formas eficientes de envolver as crianças em atividades que certamente ficarão marcadas na vida delas. Partindo do meio em que vivemos, que é rico em possibilidades de exploração, deve-se sempre apresentar a realidade concreta e no ponto de partida para a criança entender melhor o seu mundo, seu espaço e sua história, reconhecendo a natureza como provedora de bens para sua sobrevivência na Terra. Assim, as questões apresentadas no cotidiano e os problemas relacionados à realidade, observáveis pela experiência imediata ou através de relatos orais, livros, jornais, televisão, rádio, fotografias e filmes, são excelentes oportunidades para construção de conhecimentos.

A partir de reflexões a cerca da importância do conhecimento que a criança adquire na Educação Infantil sobre a Natureza e a Sociedade, propomos no Projeto Político Pedagógico as seguintes capacidades, que deverão ser alcançadas no decorrer da Educação Infantil.

COMPETÊNCIAS

·         Participar ativamente na resolução de problemas;

·         Utilizar, com a ajuda do professor, diferentes fontes para buscar informações;

·         Compreender, com a ajuda dos adultos, de fotos, relatos e outros registros, as mudanças ocorridas nas paisagens ao longo do tempo;

·         Valorizar atitudes de manutenção e preservação dos espaços coletivos e do ambiente;

·         Identificar e enfrentar situações de conflitos, utilizando recursos pessoais, respeitando outras crianças e adultos exigindo reciprocidade;

·         Identificar e compreender a pertinência aos diversos grupos dos quais participa, respeitando regras básicas de convívio social e a diversidade que os compõe;

·         Valorizar ações de cooperação e solidariedade, desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração, compartilhando vivências;

·         Adotar hábitos de autocuidado, valorizando as atitudes relacionadas à higiene, alimentação, conforto, segurança, proteção do corpo e cuidado com a aparência;

·         Identificar e compreender a pertinência aos diversos grupos dos quais participa, respeitando regras básicas de convívio social e diversidade que os compõe;

·         Estabelecer algumas relações entre diferentes espécies de seres vivos, suas características e suas necessidades vitais, descrevendo e explorando por sentidos diversos, quando necessário, para acesso de crianças surdas e cegas.

 

4.4.6 Música

A presença da música em nossa vida é perceptível nas mais diversas situações. Dessa forma, desde cedo, as crianças entram em contato com a cultura musical e assim começam a aprender inúmeros hábitos e tradições do seu meio através de estímulos sonoros.

Nossa proposta de trabalho visa integrar o desenvolvimento infantil ao exercício da expressão musical, respeitando o modo de perceber, sentir e pensar em cada faixa etária, de forma que a construção do conhecimento dessa linguagem ocorra de modo significativo com intencionalidades bem específicas dentro do contexto educacional.

Sendo assim, o Centro Educacional Iza Rizzotti busca superar as práticas da utilização da música como mero propósito para a formação de hábitos, atitudes e comportamentos ou até mesmo com o intuito de memorização de conteúdos. É necessário que seja explorada como uma linguagem, cujo conhecimento se constrói de forma expressiva, vista como um produto cultural do ser humano e uma forma de representação do mundo, explorada sempre como fim e não como meio.

COMPETÊNCIAS

·         Ouvir, perceber e discriminar eventos sonoros, fontes sonoras e produções musicais;

·         Explorar as possibilidades de gestos e ritmos corporais para expressar-se nas diversas situações de interação;

·         Brincar com a música, imitar, inventar e reproduzir criações musicais;

·         Explorar e identificar elementos da música para se expressar, interagir com os outros e ampliar o conhecimento de mundo;

·         Expressar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio de improvisações, composições e interpretações musicais.

 

4.4.7 Artes visuais

A infância é marcada a todo o momento por expressões artísticas. A criança desenha, pinta, constrói esculturas na areia, canta e dança quando está assistindo TV ou ouvindo música, toca instrumentos (bate panelas, a colher etc.), imagina e cria personagens. Todas essas manifestações são potencialidades das expressões artísticas que ocorrem no seu dia a dia. Destacam-se também o acesso às manifestações artísticas de diferentes naturezas, seja por meio da mídia e/ou da arte produzida pela comunidade.

De forma complementar, na rotina escolar também é fundamental que a criança exercite a livre expressão e a experimentação, ampliando suas potencialidades e seu modo de ver e sentir as coisas. Ela traça um percurso de criação e construção individual que envolve escolhas, experiências pessoais, aprendizagens, relação com materiais e sentimentos apoiados sempre na prática reflexiva ao aprender, articulando a ação, percepção, imaginação, cognição e sensibilidade.

A criação é pessoal, mas cabe ao professor alimentar esse percurso de forma intencional, oferecendo propostas e experiências variadas. As intervenções significativas devem estar presentes a fim de estimular a liberdade para construir o percurso individual, através de situações planejadas e dirigidas, nas quais a aprendizagem aconteça a partir do uso de determinados materiais, para que na ação sobre ele, a criança possa construir conhecimentos sobre a arte em si.

 

Tal como a música, as Artes Visuais são linguagens e, portanto, uma das formas de expressão e comunicação humanas, o que, por si só, justifica sua presença no contexto da educação, de um modo geral, e na educação infantil, particularmente.
(BRASIL, RCNEI, p.85.).

 

COMPETÊNCIAS

·         Ampliar o conhecimento de mundo, manipulando diferentes objetos e materiais, explorando características, propriedades e possibilidades de manuseio a partir do contato com formas diversas de expressão artística;

·         Apreciar diferentes produções artísticas, reconhecendo a grande diversidade;

·         Utilizar diversos materiais gráficos e plásticos sobre diferentes superfícies para ampliar as possibilidades de expressão e comunicação;

·         Interessar-se pelas próprias produções, pelas de outras crianças e pelas diversas obras artísticas (regionais, nacionais ou internacionais) com as quais  tem contato, ampliando o conhecimento do mundo e da cultura;

·         Produzir trabalhos de arte, utilizando a linguagem do desenho, da pintura, da modelagem, da colagem, da construção, desenvolvendo o gosto, o cuidado e o respeito pelo processo de produção e criação.

 

4.4.8 Linguagem digital

O impacto da tecnologia na sociedade vem adquirindo cada vez mais relevância. O cenário educacional também torna-se influenciado por tal meio. É um instrumento de inovação o que nos remete a refletir sobre a necessidade de ofertar aos educandos vivências sobre tal recurso, ampliando assim as novas linguagens e as novas possibilidades de comunicação. Os educadores buscam inserir as crianças no contexto digital através da utilização dos recursos ofertados (data show, máquina digital, computadores, lousa interativa).

Nossa equipe vem avançando em tais práticas a fim de que os alunos possam ampliar as novas linguagens, códigos e possibilidades de comunicação favorecendo a inclusão digital, propiciando a interatividade, liberdade de criação e compartilhamento de novas informações e conhecimentos através da educação.

 

4.5 INCLUSÃO

A educação especial articula-se com a Educação Infantil no seu objetivo de garantir oportunidades sócio-educacionais à criança, promovendo o seu desenvolvimento e aprendizagem, ampliando dessa forma, suas experiências, conhecimento e participação social.

O Centro Educacional Iza Rizzotti garante o direito da família a ter acesso a matricula, a informação, ao apoio e a orientação sobre a criança, participando do processo de desenvolvimento e aprendizagem e da tomada de decisões quanto aos programas e planejamentos educacionais. Quanto ao atendimento às crianças com necessidades especiais e educacionais, a instituição se propõe a recebê-las, necessitando de capacitação específica e apoio de especialistas na área, trabalhando em parceria. A acessibilidade não deve ser garantida somente às crianças com necessidades especiais educacionais, mas a todos os alunos.

Segundo Vygotsky crianças em diferentes momentos de desenvolvimento e interação, produzem e provocam o aprendizado entre si. Todos têm suas particularidades e, percebendo as próprias diferenças e as dos outros passam a ter um olhar mais generoso.

Ao longo dos anos, principalmente a partir da declaração dos Direitos Humanos em 1948, e depois no Brasil, após a adesão À Constituição Federal (1988) em vigor, tornou-se comum o discurso que dissemina a democratização e o acesso a educação de pessoas com deficiências. Segundo Mazzotta (2003, p. 27), o surgimento da educação especial na Política Educacional brasileira vem ocorrer somente ao final dos anos 50 e início da década de 60.

A elaboração de leis, Normas e Regulamentos como função de governo assumida de forma descentralizada pelos administradores estaduais, são ações de agendas governamentais a partir da política nacional de integração de pessoas com deficiência na década 1980.

A Constituição Federal de 1988, afirma: “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, visa o pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho” (Art. 208).

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n.9.394/96-LDB/96 avançou na elaboração do texto quanto aos direitos sociais, direito à diversidade, garantia de acesso, permanência com qualidade e atendimento às necessidades especiais. Dessa forma, a ampliação de matrículas na Educação Infantil é assegurada pelo Plano de Nacional de Educação-PNE, Lei n.10.172/2001, que orienta os sistemas de ensino a atenderem as necessidades educacionais, garantindo:

  • Transversalidade da Educação Especial desde a Educação Infantil até a Educação Superior;
  • Atendimento Educacional Especializado;
  • Participação da família e da comunidade.

Os eixos que norteiam a política de inclusão são o acesso ao conhecimento, a permanência qualificada na escola e a aprendizagem. O grande desafio da inclusão escolar é o de implementar estratégias para garantir a aprendizagem associada a autonomia e a plena participação dos alunos.

O Centro Educacional Iza Rizzotti, atende alunos inclusive com deficiência física, intelectual e múltipla. O atendimento de acompanhamento de criança com deficiência no espaço escolar, requer a presença de um adulto que atenda às especificações da mesma. Esse adulto acolhe as crianças que não possuem autonomia para atividades da vida diária, sendo a contratação do mesmo de responsabilidade da Escola.

Temos a presença do psicologo Marcus Leandro, que foi contratado inicialmente para ser mediador de um aluno autista, no ano de 2015. A Escola, a partir de então teve ganhos incríveis principalmente referentes à alunos de inclusão.

Foi elaborado por ele, o PDI (Plano de Desenvolvimento Individual dos alunos); documento norteador, diferenciado, facilitador para todos os envolvidos no processo educacional da criança em questão.

 

4.5.1 Do atendimento a alunos em situação especial

O Centro Educacional Iza Rizzotti aceitará a matrícula de aluno com deficiência de acordo com a disponibilidade de vagas indicadas na sua Proposta Pedagógica. Para assegurar a inclusão do aluno e sua integração no ambiente educacional, a família, quando necessário e no prazo estabelecido pela legislação escolar ou pelo Centro Educacional Iza Rizzotti, deverá apresentar relatório e/ou avaliação médica, psiquiátrica, psicológica e/ou por equipe multiprofissional e interdisciplinar.

A equipe pedagógica responsável pelo segmento do aluno com deficiência, elaborará o PDI – Plano de Desenvolvimento Individual especificando todos os dados de orientação e acompanhamento do aluno, alterando-o sempre que necessário.

O Centro Educacional Iza Rizzotti, para Atendimento Educacional Especializado, poderá fazer parceria com clínicas, postos de saúde, núcleo de saúde e outros estabelecimentos do gênero para encaminhamentos necessários. Para o Atendimento Educacional Especializado compete à família a responsabilidade de providenciar o atendimento e o acompanhamento, conforme a necessidade específica.

 

4.6 ESTUDOS AFRODESCENDENTE

A realização dos estudos afrodescendentes no currículo da educação infantil tem como objetivo estudar e compreender a história do negro, sua origem e cultura (LEI 10.639/2003). Nós, profissionais do Centro Educacional Iza Rizzotti consideramos essencial o estudo das várias culturas com o objetivo de desenvolver nos sujeitos, desde a infância, o respeito às diversas etnias.

Destacamos que o negro teve sua identidade humana, cultural e religiosa negada historicamente, no decorrer dos séculos e ainda nos tempos contemporâneos encontra resquícios de preconceitos em diversos âmbitos da sociedade, inclusive nos espaços escolares.

Acreditamos que na Educação Infantil há possibilidade da concretização da quebra de paradigmas, desfazendo imagens que construíram estereótipos negativos sobre os africanos negros. A implementação dessa lei é realizada em nossa escola através do desenvolvimento de atividades, projetos e ações nas mais diversas linguagens, com o intuito de resgatar a valorização do negro em sua historicidade, tradição intelectual e cultural.

5. ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA

5.1 METODOLOGIA

A metodologia utilizada para o desenvolvimento do currículo no Centro Educacional Iza Rizzotti, é desenvolvida a partir de Unidades Temáticas e Projetos. Para tanto, todos os membros da equipe se reúnem no início de cada ano, para a escolha do tema da Mostra de Cultura que será desenvolvido no ano vigente. O tema faz parte da consolidação de ideias dos educadores e do próprio contexto social. O trabalho com Projetos deve atender aos interesses das crianças. Eles são criados com elas e não para elas desenvolvendo a cooperação e a solidariedade entre as crianças e educadores. A avaliação deve estar presente em todo o processo e as produções da criança registradas de diversas maneiras.

Utilizando diversas linguagens, materiais e partindo de situações concretas, facilitamos e proporcionamos esse encontro da criança com o fazer criativo. A visão do trabalho pedagógico possibilita a transformação do espaço da escola em um espaço realmente democrático, no qual cada criança deve ser respeitada em sua individualidade e ação criadora.

O universo da criança, a realidade onde se encontra inserida, sua criatividade e curiosidade, são pontos de partida para a ação pedagógica, garantindo à criança a conquista do espaço criador e gerador de conhecimentos. Fatos e situações devem ser aproveitados como impulso para a busca e a descoberta de novas soluções. Excursões, festas, mostra cultural, exposições e tudo o mais que for necessário para que a criança tenha a oportunidade de vivenciar e extrapolar o conteúdo ministrado em sala de aula.

O importante é perceber que uma história, um filme, um brinquedo, um desenho, um livro, um jogo, uma cor ou mesmo um objeto de arte, pode levar indivíduos de qualquer idade a vivências significativas e importantes para a sua vida.

 

5.2  MATERIAL DIDÁTICO

Os materiais pedagógicos ofertados em nossa instituição, visam a ampliação e a aquisição de novos conhecimentos para as crianças referentes ao meio físico e social, possibilitando um trabalho voltado para as perspectivas linguísticas, socioafetivas e cognitivas. Dentre eles podemos destacar:

  • Jogos;
  • Livros literários e didáticos;
  • Brinquedos;
  • Cd’s;
  • Dvd’s
  • Fantasias;
  • Materiais para exploração do esquema corporal.

Vale lembrar que é o professor que conduzirá todo o trabalho, tendo a liberdade de utilizar esses e outros materiais de acordo com a necessidade e os momentos oportunizados em sala de aula.

A direção pedagógica disponibiliza para os professores todos os materiais pedagógicos úteis ao cotidiano escolar e posteriormente itens que vão sendo adquiridos pela Escola, sempre que necessário, para atender as faixas etárias.

Ficam disponibilizados, na coordenação, livros e revistas para consultas, a fim de que os mesmos possam refletir sobre suas práticas, planejar e desenvolver o currículo de acordo com as faixas etárias atendidas, considerando os hábitos, costumes e valores de cada criança.

 

5.3 ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO

O Centro Educacional Iza Rizzotti possibilita um acompanhamento pedagógico que visa, antes de tudo, criar condições para que as crianças se conheçam e resinifiquem seus sentimentos, atitudes e valores.

Saber o que é estável e o que é circunstancial em sua pessoa, conhecer suas características e potencialidades e reconhecer seus limites é central para o desenvolvimento da identidade e para a conquista da autonomia. A capacidade das crianças de terem confiança em si próprias e o fato de sentirem-se aceitas, ouvidas, cuidadas e amadas oferecem segurança para a formação pessoal e social. A possibilidade de desde muito cedo efetuarem escolhas e assumirem pequenas responsabilidades favorece o desenvolvimento da autoestima, essencial para que as crianças se sintam confiantes e felizes. (RCNEI, v.2 p.11)

 

No início do ano letivo, realizamos um encontro com os pais para a apresentação da proposta pedagógica como também para favorecer o intercâmbio entre família e escola iniciando assim canais abertos de participação numa parceria que venha a contribuir para o desenvolvimento integral da criança.

No cotidiano escolar, observamos como as crianças interagem nesse espaço de socialização, que propicia o contato e o confronto com adultos e crianças de várias origens sociais e culturais, costumes e hábitos, num campo privilegiado para experiência educativa.

Outra forma de acompanhamento são as observações e intervenções pedagógicas realizadas no coletivo. Momentos de roda, conversas individuais e informais nos dão subsídios para o conhecimento da realidade das crianças nos auxiliando nas elaborações de relatos realizados nas agendas, onde diariamente os pais são orientados a estarem fazendo a leitura para um maior acompanhamento da sua vida escolar.

Temos ainda o acompanhamento do registro da evolução cognitiva da criança através das atividades vivenciadas com colegas, da criança e dos professores de forma lúdica: através de jogos, desenho e escrita da criança, expressão do pensamento enfim, através do uso das diversas linguagens.

Durante o ano letivo realizamos reuniões para dar retorno em relação ao trabalho desenvolvido. São também enviados aos pais, por e-mail, 2 relatórios individuais, descritivos e qualitativos referentes ao desenvolvimento da  criança durante o ano, por semestre.

Em geral as trocas de informações são diárias com a família, via agenda ou pessoalmente, estreitando as relações Escola e Família fortalecendo vínculos, o que tranquiliza   os pais.

Quando há necessidade de uma atenção especial para alguns casos, a escola promove um encontro juntamente com a direção e coordenação pedagógica, para que juntos, Família/Escola e se necessário especialistas, possam encontrar o melhor caminho para o desenvolvimento global da criança. O encontro é registrado em duas vias. Uma via é entregue aos pais e a outra fica arquivada na Escola para possíveis consultas e acompanhamentos posteriores da vida escolar da criança.

 

5.4  PROPOSTA DE PROJETOS

Os projetos ampliam a possibilidade de trabalho, pois facilitam a articulação de diferentes áreas do conhecimento e as interações entre grupos, fazendo com que o processo explore as vivências dos alunos.

Um projeto deve surgir da necessidade ou de questões e problemas a serem resolvidos. Cabe a cada professor ser o mediador entre os objetos de estudos e os alunos, e ser o motivador, na busca de soluções e nos mecanismos de pesquisas, com o objetivo de construir conhecimentos.

Podem surgir vários projetos no decorrer do ano de acordo com cada professor, cada aluno e/ou cada grupo. Porém, existem na escola os centros de interesses e atividades que já fazem parte do calendário da instituição. Eles são repetidos a cada ano, por serem considerados pela equipe do Centro Educacional Iza Rizzotti, significativos para aprendizagem dos alunos.

Tais atividades são desenvolvidas no Centro Educacional Iza Rizzotti e são concebidas a partir de um trabalho coletivo, com a participação de toda a equipe escolar. A programação dos temas centrais é definida anualmente pelo grupo considerando a avaliação de todo o processo anterior. Visando a importância desses projetos ou eventos (que não necessariamente são projetos, mas que fazem parte da rotina anual) citamos a seguir uma lista em ordem cronológica de acontecimentos.

  • Atividades de socialização

Nos primeiros dias de aula a rotina da escola é modificada, a fim de que os alunos possam se adaptar ao novo espaço e tempo saindo cedo em um processo gradual de adaptação. As educadoras fazem várias atividades para uma “volta às aulas” ou “início de aulas” o mais harmonioso possível entre os alunos e a instituição. Busca-se identificar os integrantes novos do grupo, o espaço físico, as maneiras corretas de relacionar, trabalhando valores e regras para o bom convívio social.

  • Baile de Carnaval

Um evento onde, de forma prazerosa e lúdica, exploramos as linguagens artísticas, musicais e corporais favorecendo a interação e a diversão. As famílias que participam, confeccionam as fantasias enfeitando as crianças, o que é opcional. Os professores e os alunos dançam, brincam e desfilam, de maneira alegre e espontânea, ao som de marchinhas carnavalescas.

  • Festa da Páscoa

É um momento lúdico de confraternização em celebração à vida e a valores fundamentais, como: o amor, o respeito e a solidariedade, buscando um ambiente tranquilo e uma convivência de paz. É uma festa lúdica com dramatizações, danças, poemas e músicas e apresentados para a comunidade Escolar.

  • Homenagem às Mães

São momentos de emoção e interação especiais da mãe, junto à Escola. A importância da mãe, ou da figura que a represente, é festejada reforçando valores imprescindíveis, para que a criança cresça feliz no ambiente familiar. Nesse evento, acontecem apresentações das crianças, explorando a dança, poemas, músicas etc. Antecedendo a Festa, os alunos fazem trabalhos artísticos que são organizados pelas professoras, de maneira que o ambiente fique alegre para recepcionar as pessoas homenageadas. A festa acontece na escola.

  • A Festa Junina

Esse evento é definido na elaboração do calendário. É um momento de interação entre Escola/Família/Comunidade.  A festa acontece em um local locado, com antecedência, devido ao número de convidados. Há uma grande preocupação com o resgate e valorização das tradições juninas, sem cunho religioso. As comidas típicas e as danças folclóricas são evidenciadas, bem como a caracterização das crianças, de acordo com a apresentação a ser realizada por cada turma.

  • Mostra de Cultura

Entende-se por Mostra de Cultura o projeto de um único tema que origina vários mini projetos específicos. Ocorre no mês de Setembro. Todos na escola participam de forma conjunta, trabalhando o mesmo tema de forma diferenciada e interativa. O tema é definido pelo grupo docente ao final do ano anterior à sua implementação. A partir da escolha do tema a equipe possui a função de montar um conjunto de ações coletivas que explorem e enriqueçam o assunto. Os professores possuem a função de despertar a curiosidade dos alunos, identificando o interesse deles em relação aos temas específicos (de acordo com o tema norteador), diagnosticando o que eles já sabem e o que vale a pena explorar, montando assim o projeto característico da turma.

Assim o Projeto Institucional, tem como objetivo principal o tema escolhido, explorando diversas linguagens dentro de um prazo determinado e que resultem em ações finais ou na expansão e aperfeiçoamento da ação. O caminho a ser percorrido no projeto é tão importante quanto a culminância, sendo esta apresentada à Comunidade Escolar. Já foram temas de projetos anuais: “Quem não comunica se estrumbica”, “De onde vem?”, ” Amor aos bichos”, “Era uma vez…”, “Invenções e seus inventores”, “Riquezas do Brasil”, “Sustentabilidade”, entre outros.

  • Semana das Crianças

Uma semana preparada para celebrar a Infância em todas as formas de alegria e prazer que ela proporciona. São planejadas atividades livres e espontâneas, brincadeiras, alimentação diferenciada, apresentações teatrais e muita diversão.

 

5.5  AVALIAÇÃO

Na Educação Infantil devem ser criados procedimentos para acompanhar o trabalho pedagógico e para avaliar o desenvolvimento das crianças, sem o objetivo de seleção, promoção ou classificação, garantindo:

  • Uma observação crítica e criativa das atividades, das brincadeiras e interações das crianças no cotidiano;
  • Utilização de registros realizados pelo professor e educandos (relatórios, fotografias, desenhos, álbuns etc.);
  • A continuidade dos processos de aprendizagens por meio da criação de estratégias adequadas aos diferentes momentos de transição vividos pela criança;
  • Registro específico que permita às famílias conhecer o trabalho da instituição junto às crianças e os processos de desenvolvimento e aprendizagem das mesmas;
  • A não retenção da criança na Educação Infantil.

Assim a avaliação na Educação Infantil, far-se-á, mediante acompanhamento e registro do desempenho e desenvolvimento da criança sem o objetivo de promoção com faixa etária para o acesso ao ensino fundamental.

A avaliação será contínua e terá caráter diagnóstico, para que o professor possa identificar ao longo de todo o processo educativo, o que pode ou deve ser retomado e/ou descartado em seu planejamento, o que precisa melhorar em suas ações pedagógicas para atender adequadamente aos anseios e interesses das crianças, quais as vantagens ou desvantagens de manter ou mudar a metodologia e as estratégias, tomando como referência o interesse, o envolvimento, a participação e o desempenho da turma. Assim como, verificar quais sãos os interesses, as necessidades, as limitações, as maiores habilidades ou dificuldades, a capacidade de integração e interação, os avanços e o desenvolvimento integral de cada criança e também do coletivo da turma. O professor deverá usar como forma de registro, a agenda do aluno, relatórios individuais, dentre outros recursos como o diário de bordo, fotografias, desenhos etc.

Serão realizados encontros com as famílias, para que essas possam tomar conhecimento e acompanhar o trabalho pedagógico da instituição, bem como desenvolvimento e desempenho da criança. Extraordinariamente, a qualquer tempo, sempre que necessário, as famílias poderão ser chamadas para contribuir no processo educativo como parceiros da escola.

As formas de registros utilizadas no Centro Educacional Iza Rizzotti são:

  • Painéis de azulejo;
  • Portfólio;
  • Cadernos de Atividades;
  • Relatórios descritivos;

No Regimento escolar disponibilizamos maiores informações sobre o processo avaliativo.

 

5.6  RECURSOS DIDÁTICOS

O Centro Educacional Iza Rizzotti, conta com salas onde são realizadas frequentemente atividades diversificadas, como:

  • Sala de matemática;
  • Sala de vídeo;
  • Sala de multimeios com lousa interativa e retroprojetor móvel;
  • Sala interativa com varal de fantasias e instrumentos musicais;
  • Ciranda de livros (biblioteca em cada sala).

 

  • Materialidade
  • Televisão;
  • Som;
  • Cds e Dvds, destinados às faixas etárias;
  • Jogos e brinquedos pedagógicos;
  • Jogos para atividades direcionadas;
  • Livros diversos de literatura infantil e didáticos para uso dos docentes;
  • Fantasias e fantoches;
  • Mobiliário doméstico em madeira e plástico para atividades lúdicas, (fogão, armário de cozinha, pia, forno de micro-ondas, geladeira, balcão de mercearia com produtos em material sintético);
  • Casa de Madeira para contação de histórias com fantoches;
  • Umidificador de ar;
  • Retroprojetor;
  • Notebook;
  • Lousa interativa.

 

5.6.2 Funcionamento

A utilização das salas de Recursos Didáticos, ocorre conforme quadro de horários feita para cada turma, de acordo com a necessidade de grade curricular.

6. EDUCAÇÃO CONTINUADA

6.1  CAPACITAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE

O Centro Educacional Iza Rizzotti incentiva o aperfeiçoamento e o aprimoramento do pessoal docente e administrativo, em serviço. Além da formação em serviço, as educadoras, são incentivadas a participar de diversas formações oferecidas, visando uma melhor qualificação, especialização e aperfeiçoamento profissional.

Semanalmente, são realizadas reuniões pedagógicas, com a professora regente e a coordenação para oportunizar discussões sobre o planejamento, o trabalho desenvolvido ou a ser desenvolvido em um determinado tempo ou momento e situações específicas relacionadas às crianças. Duas vezes ao ano, acontecem encontros de formação continuada para a preparação e capacitação da equipe docente e demais funcionários.

 

6.2  CAPACITAÇÃO DO PESSOAL ADMINISTRATIVO

Para a capacitação dos gestores, em serviço, são oferecidos pelo Positivo e pelo SINEP, cursos e palestras envolvendo temas apropriados aos setores. A Coordenação e Direção Pedagógica, que fazem parte do corpo administrativo, têm encontros pedagógicos regionalizados e centralizados, promovidos pelo Positivo, pelo SINEP e / ou pela Prefeitura.

7. DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ESCOLAR

7.1  REGIME DE FUNCIONAMENTO

7.1.1 Rotina

A rotina no Centro Educacional Iza Rizzotti é estruturada e organizada pensando nas necessidades das crianças dentro da indissociabilidade do educar cuidando. É flexível, diferenciada e variada, favorecendo que os tempos e os espaços escolares possam ser compartilhados e utilizados por todas as turmas, levando em consideração os horários programados e especificados pelo quadro estabelecido pela coordenação. A rotina é compartilhada e socializada com as crianças todos os dias. É planejada e registrada pelo professor.

A rotina no Centro Educacional Iza Rizzotti inclui:

  • Acolhida;
  • Rodas de conversa;
  • Trabalhos com as múltiplas linguagens;
  • Projetos específicos da turma;
  • Desenvolvimento de atividades relativas aos Campos de Experiência;
  • Educar e cuidar nos momentos de alimentação, hábitos de higiene;
  • O brincar como eixo central.

A rotina no Centro Educacional Iza Rizzotti é organizada em grades de planejamento semanal, que orientam os horários e as áreas do planejamento que serão trabalhadas. – vide rotina escolar em anexo.

 

  • Forma de organização – Matrícula

Consta no regimento da Instituição.

 

7.1.3 Enturmação

O número de turmas é definido, tendo como referência o número de salas de aula, o fluxo de alunos e os quantitativos de alunos por turma. O principio que se segue para a enturmação dos alunos é o de que a aquisição de conhecimentos não se dá da mesma forma para todos os sujeitos e sequer se realiza ao mesmo tempo, não sendo, ainda, uma construção homogênea através de tempos médios e de pares cognitivamente semelhantes. O critério de enturmação utilizado é a idade da criança e o mês de nascimento.

 

7.1.3.1 Da organização dos agrupamentos ou turmas

Os parâmetros para a organização de grupos decorrerão das especificidades da proposta pedagógica, das condições do espaço físico e das características do grupo de crianças. A recomendação está prescrita na resolução CME/BH nº 001/2000 sobre a relação criança / professor/educador nos termos do oficio SMED/GCPF/GAB-SMED nº 715/2006.

  • Crianças de zero a um ano – até 3 crianças por cuidador e 1 professor responsável;
  • Crianças de um a dois anos – até 12 crianças por professor/educador;
  • Crianças de dois a três anos – até 16 crianças por professor/educador;
  • Crianças de três a quatro anos – até 20 crianças por professor/educador;
  • Crianças de cinco a seis anos – até 25 crianças por professor/educador.

 

7.1.4 Eventos: lazer, cultura e social

A cultura e o lazer são instrumentos valiosos nas relações sociais. As crianças se percebem por meio delas como parte integrante da sociedade e estabelecem relações entre si, definindo valores e significados. Assim, as crianças se manifestam na criação artística, nos momentos de lazer e nos eventos culturais propiciados no espaço escolar.

Os eventos culturais realizados no Centro Educacional Iza Rizzotti intencionam promover atividades de cultura e lazer que desenvolvam a criatividade, os costumes, as tradições, os valores já vividos antigamente, expressões populares artísticas e culturais de modo a desenvolver conhecimento e identificação pessoal, contribuindo para a formação intelectual e humana, seguindo as DCN’s:

(…) Art. 3º – São as seguintes as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil: I– As Propostas Pedagógicas das Instituições de Educação Infantil, devem respeitar os seguintes Fundamentos Norteadores: (…) c) Princípios Estéticos da Sensibilidade, da Criatividade, da Ludicidade e da Diversidade de Manifestações Artísticas e Culturais.
(Brasil, Diretrizes Curriculares da Educação, 1999)

 

As principais atividades culturais e de lazer propostas anualmente pelo CEIR são:

  • Excursões

O Centro Educacional Iza Rizzotti promove passeios com o objetivo de desenvolver o conhecimento através da linguagem de Natureza e Sociedade, que apresenta tanto elementos de conhecimento científico, como também proporciona aos alunos momentos de socialização, oportunizando a vivência de experiências através da convivência em ambientes motivadores, de acordo com o tema em estudo por turma.

A atividade é efetiva e produtiva, pois os alunos têm oportunidade de conhecer de perto “objetos de estudo”, bem como participar de atividades prazerosas e interessantes, uma vez que, podem estar em contato com uma variedade de recursos didáticos enriquecedores. As excursões são previstas e devidamente incluídas no Calendário, ocorrendo pelo menos uma vez por ano, por turma.

 

7.1.5 Normas de convivência

A interação é uma importante experiência para o autoconhecimento e para o desenvolvimento da capacidade de se relacionar com o outro. É por meio da interação que a criança poderá progressivamente aprender a compartilhar suas vivências, utilizar seus recursos pessoais para enfrentar as situações de cooperação e solidariedade e desenvolver atitudes de ajuda e colaboração em relação ao outro.

Nos momentos coletivos, durante jogos, brincadeiras e rodas de conversa a criança desenvolve atitudes de respeito pelo outro e por si própria conhecendo cada vez mais seus recursos e suas limitações, ampliando assim sua autoconfiança.

As atitudes desenvolvem, em nível comportamental, o respeito a valores e normas. No convívio diário, serão apresentadas situações e conteúdos que enfatizem a manutenção do respeito às normas de conduta que regem as relações sociais e os valores humanos (amor, responsabilidade, cooperação, amizade, respeito, autoestima, autocuidado, justiça, honestidade, autoconhecimento etc.).

Na faixa etária de 3 a 5 anos as crianças costumam apresentar dificuldade diante das situações de conflitos e se envolvem com facilidade em situações de desentendimentos e brigas entre colegas buscando conseguir o que querem sem perceber a gravidade dos seus atos. Diante de tal fato, cabe ao educador intervir com conversas e demonstrações de atitudes que favoreçam melhores condições de convivência, assim como buscar junto às famílias recursos apropriados para soluções de cada desafio que surgir.

Acreditamos que a existência de normas e regras e o respeito às mesmas são fatores imprescindíveis para a educação individual e coletiva, pois contribuem para uma convivência escolar saudável, produtiva e organizada, necessária para a boa formação de nossos alunos. Nesse sentido, não podemos prescindir da efetiva colaboração e parceria Família/Escola.

Relacionamos, a seguir, informações importantes, reunindo normas e procedimentos que regulam o funcionamento da nossa Escola.

  • EQUIPE PEDAGÓGICA:
  • Diretora Pedagógica;
  • Diretora administrativa;
  • Coordenadora Pedagógica;
  • Auxiliar Pedagógico;
  • Secretária (secretária e auxiliar administrativo).
  • EQUIPE DE APOIO:
  • Professoras;
  • Auxiliares de Sala;
  • Serviços gerais.
  • HORÁRIO DE ENTRADA E SAÍDA
  • Manhã:

 Entrada: 6h 50min

 Saída: 11h 15min

  • Tarde:

 Entrada: 12h 50min

 Saída: 17h 15min

Observações:

1- Saídas antecipadas devem ser avisadas com antecedência, via agenda (evitar avisar por telefone ou dar recados orais).

2- Se houver alguma alteração quanto à pessoa que habitualmente vem buscar a criança devemos ser avisadas via agenda.

  • AGENDA

É o meio efetivo de comunicação entre a escola e os pais, e de fundamental importância para a organização escolar do aluno. Todos os recados deverão ser registrados na agenda e assinados pelos responsáveis.

  • UNIFORME

O uso do uniforme é obrigatório diariamente. Não recomendamos o uso de chinelos ou tamancos, tendo em vista a segurança das crianças. Pedimos o uso do tênis, que faz parte do uniforme escolar ou outro, a escolha dos pais, fixo nos pés.

  • ATENDIMENTO AOS PAIS

As reuniões, nas quais os pais tomam conhecimento do desempenho de seus filhos, acontecem nas datas previstas no calendário escolar ou sempre que houver necessidade. Encontros com a professora ou com a equipe pedagógica, antes da data prevista, devem ser agendados previamente na secretaria. Pedimos a todos que evitem conversar com as professoras nos horários de entrada e saída para não comprometer o atendimento aos alunos e não causar transtornos à classe.

  • MATERIAL ESCOLAR

O aluno deve trazer sua mochila e agenda diariamente. Solicitamos também enviar uma peça de roupa com identificação da criança.

  • SAÚDE

Com o objetivo de resguardar a integridade de nossos alunos, em relação à saúde e ao bem estar, trabalhamos contra a automedicação. Sendo assim, sempre que possível o remédio deve ser administrado pelos próprios pais. Solicitamos não mandar o aluno para a escola quando estiver doente, pois além de ser desconfortável para a criança, não podemos oferecer nenhuma medicação, salvo mediante receita médica atualizada. Em caso de acidente, a Escola entrará em contato imediatamente com os pais ou responsável pela criança, orientando o uso do Certificado Individual de seguro.

  • MERENDA

A partir dos 2 anos de idade, a Escola fornece merenda de qualidade, com cardápio variado e elaborado por nutricionistas, contendo frutas e sucos naturais. É vetado trazer merenda de casa, salvo casos específicos. No Maternal 1 são oferecidos, diariamente, duas qualidades de frutas (de época) e suco natural preparados no horário do lanche para preservar os valores nutricionais.

  • ANIVERSÁRIOS

Os aniversários podem ser comemorados na Escola, de maneira simples, desde que haja prévia combinação com a secretaria. A mãe ou o responsável deve providenciar o bolo e o lanche da festa, mediante orientação da Escola. As comemorações acontecem uma vez por mês.

  • BRINQUEDOS

As crianças podem trazer brinquedos de casa para a escola somente às segundas-feiras. Estes devem ser simples e fáceis de cuidar, pois não temos como nos responsabilizar por eles. Não são permitidos brinquedos eletro-eletrônicos, brinquedos caros e armas de brinquedo. Pedimos aos pais colaboração para que o dia do brinquedo seja respeitado.

  • EXCURSÕES

As excursões são planejadas para enriquecer as atividades pedagógicas ou os projetos desenvolvidos pela escola. O aluno somente poderá participar das mesmas, mediante autorização por escrito, assinado pelos pais ou responsáveis e devidamente uniformizado.

  • CALENDÁRIO

O calendário anual é anexado nas agendas dos alunos, está disponível no site (www.ceir.com.br) e está sujeito a alterações, que serão comunicadas.

8. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Consideramos a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e críticos que atuarão individual e coletivamente na sociedade. Definimos e organizamos nossos tempos e espaços, nossas atividades e projetos educativos visando um processo de ensino e aprendizagem onde o cuidar e o educar sejam indissociáveis aprimorando cada vez mais a qualidade da Educação Infantil.

Este documento é um instrumento de trabalho que formaliza todas as práticas educativas realizadas, indicando uma direção não apenas para os gestores e professores, mas também funcionários, alunos e famílias, reunindo propostas de ações concretas a serem executadas ao longo dos anos, sendo analisado e reelaborado sempre que necessário.

Por conter tantas informações relevantes, este Projeto Político Pedagógico se configura numa ferramenta de planejamento e avaliação que todos os membros da equipe gestora e pedagógica devem consultar a cada tomada de decisão. Dessa forma, se tornará um documento eficiente na medida em que servirá de parâmetro para reflexões, discussões, socialização de experiências e elaboração de estratégias de ação de curto, médio e longo prazo formando uma nova mentalidade de gestão.

9. REFERÊNCIAS

ABRAMOWICZ, A.; WAJSKOP. G. Creches: atividades para crianças de zero a seis anos. São Paulo: Moderna, 1995.

 

ALMEIDA, Anne. Ludicidade como instrumento pedagógico.  Disponível em: http:// WWW.cdof.com.br/recrea 22.htm. Acesso no dia 05 de dezembro de 2008.

 

ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola, 1995.

 

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: LTC, 2006. 2ª Ed, p.196.

 

BETTELHEIM, Bruno. Uma vida para seu filho. São Paulo: Artemed, 1984.

 

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, 1998.

 

Brinquedoteca: sucata vira brinquedo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

 

BROUGÉRE, G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez, 2000.

 

DEBORTOLI, José Alfredo. Com os olhos de crianças: Ludicidade como dimensão da construção da linguagem e da formação humana. Licere. 1999, V. 2, n. 1, p. 105-117.

 

DIDONET, Vital. O direito de brincar. In: Congresso Brasileiro de brinquedotecas, São Paulo, 1994.

 

FONTANA, Roseli; CRUZ, Maria Nazaré da. Psicologia e trabalho pedagógico. São Paulo: Atual, 1997.

 

HUIZINGA, J. Homo ludus. 4. ed. São Paulo: Perspectiva,1993. (ed. orig. 1938).

 

KRAMER, Sônia. A política pré-escolar no brasil: A arte do disfarce. Rio de Janeiro: Achiamé, 1982, p. 142.

 

KISHIMOTO, T. M. (org.); Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação: – 11. ed. – São Paulo: Cortez, 2008.

 

Kishimoto, Tizuko Morchida, Brinquedos e brincadeiras na educação infantil, Ministério da Educação, USP, 2010.

 

LDB – Lei de Diretrizes e Bases Nacional da Educação – 9394/96 – MEC. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 16 de agosto de 2012.

 

LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY, L.. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Maria da Penha Vilalobos. São Paulo: Ícone, 1988.

 

MALUF, M. G. A. Brincar, prazer e aprendizado. Petrópolis, Vozes, 2003.

 

MOYLES, J. R. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

 

MUKHINA, V. Psicologia da idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fonte, 1996.

 

NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil. Porto Alegre: Prodil, 1994.

 

NEVES, L. O. R. O lúdico nas interfaces das relações educativas. Disponível em: www.centrorefeducacional.com.br.

 

OLIVEIRA, M. K. de. Vygotsky: alguns equívocos na interpretação de seu pensamento. Cadernos de Pesquisa, (81): 67-69, maio: 1992.

 

OLIVEIRA, P. S. O que é brinquedo? São Paulo: Brasiliense, 1984.

 

OLIVEIRA, Zilda Ramos de. Educação Infantil – Fundamentos e Métodos. 3 ed. São Paulo. Cortez, 2007. 255 p.

 

O pensamento de Vygotsky como fonte de reflexão sobre a educação. Caderno CEDES, (35): 9-14, 1995.

 

PBH. Proposições Curriculares da Educação Infantil Rede Municipal e Creches Conveniadas com a PBH. Secretaria de Educação. Belo Horizonte, 2009. 327p.

 

PEREIRA, E. T. Brinquedos e infância. Revista Criança do professor da educação infantil, MEC, Brasília, n.37, Nov. 2002.

 

PIAGET, J. A. A psicologia da criança. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

 

PINTO, Manuel (1997): A infância como construção social. En PINTO, M. y SARMENTO, M. J. (Eds.) As crianças: Contextos e identidades (pp. 33-73). Braga: Centro de Estudos da Criança, Universidade do Minho.

 

MEC. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Secretaria de Educação fundamental. Brasília, Volume 1, 1998. 85p.

 

RODRIGUES, M. Psicologia Educacional: uma crônica do desenvolvimento infantil. São Paulo: McGraw – Hill, 1976.

 

ROSAMILHA, N. Psicologia do jogo e a aprendizagem infantil. São Paulo: Pioneira, 1979.

 

SANTOS, S. M. P. dos. Brinquedo e infância: um guia para pais e educadores. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

 

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da modernidade. Braga, Portugal. Universidade do Minho. Centro de Estudos da Criança, 2002 (mimeo.).

 

SARMENTO, Manuel Jacinto e PINTO, Manuel. As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando o campo. Braga, Portugal. Universidade do Minho. Centro de Estudos da Criança. Ed. Bezerra, 1997.

 

VELASCO, C.G. Brincar: o despertar psicomotor. Rio de Janeiro: Sprint Editora, 1996.

 

VENTURELLA, Valéria. A influência da mídia na formação da criança hoje. nº 51, 2003, p. 37-44.

 

VYGOTSKY, L. A. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

 

Pensamento e linguagem; 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

 

WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez, 2005.

O brincar na educação infantil. Caderno da Pesquisa, São Paulo, n.92, p.62-69, fev. 1995.

 

WALLON, H. (1941/1981). A evolução psicológica da criança. Trad. Ana Maria Bessa. Lisboa: Edições 70

IMPRIMA OU BAIXE O ARQUIVO

Para o topo